Notícias

Seminário discute PPPs das unidades socioeducativas da Fundac

publicado: 05/11/2019 16h40, última modificação: 05/11/2019 17h30
Equipe SEMINARIO.jpg

Técnicos e diretores da Fundação de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice de Almeida” (Fundac) participaram, nesta segunda-feira (4), no auditório do Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), de um Seminário que discutiu o Projeto Político Pedagógico (PPP) nas Unidades Socioeducativas e as reflexões pedagógicas que envolvem a elaboração do novo projeto.

Na palestra, proferida pelo professor do Centro de Educação da UFPB, Swamy Soares, foram abordadas as linhas que estão sendo utilizadas na construção do novo Projeto Político Pedagógico da Fundac, que são centradas na Pedagogia da Presença, na Pedagogia da Autonomia e outras linhas pedagógicas que respeitem os Direitos Humanos e tenham o princípio da autonomia e o princípio da responsabilização por parte do educador. De acordo com Swamy, “uma pedagogia que de fato valorize o ser humano e valorize o trabalho pedagógico que é desenvolvido nas unidades”.

O professor explicou que o PPP tem dupla dimensão: uma de orientar as ações profissionais dos que trabalham nas unidades da Fundac, mas, sobretudo, ele tem a ver com os socioeducandos. “Ele tem a ver na repercussão e uma melhor oferta do serviço público que já fazemos, mas de fato numa melhoria para a ressocialização dos socioeducandos. Esses são de fato os grandes beneficiados de todo o processo”, enfatizou o professor.

A professora Marlene Araújo, do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da UFPB, abordou a importância dos Direitos Humanos (NCDH) na Socioeducação, através de um traçado histórico sobre as leis e tratados internacionais que deram início à doutrina dos Direitos Humanos no mundo.

Projeto Fundac - Em convênio com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a Fundação de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice de Almeida” (Fundac) está atualizando o seu Projeto Político Pedagógico Institucional (PPPI) e Regimento Interno (RI), como também das Unidades Socioeducativas da instituição.

De acordo com a diretora técnica da Fundac, Waleska Ramalho, o processo de construção do Projeto Político Pedagógico orienta-se numa perspectiva democrática e de construção coletiva, em que toda comunidade socioeducativa tem sua contribuição nesse processo de pensar e repensar o caminho para a gestão do atendimento no meio fechado. “Estamos refletindo nossa prática, nossos atendimentos e nossa proposta pedagógica para o aprimoramento da política em nosso Estado”, adiantou.

A coordenadora do Eixo Suporte Institucional e Pedagógico da Diretoria Técnica da Fundac, Érica Renata Araújo, disse que um dos objetivos é realinhar os PPPs e os Regimentos Internos das Unidades com os parâmetros operacionais e técnicos que foram dados nesses últimos anos através do Plano de Segurança e das próprias mudanças institucionais realizadas na Fundac. Para isso, está sendo necessária também a reelaboração do PPPI e RI da própria Fundação que norteará as ações administrativas da sede e das atuações técnico-operativas nas unidades de atendimento socioeducativo.

"Em cada unidade foi formada uma comissão com representantes das equipes técnicas, socioeducandos, setores administrativos, direções, agentes, escola e coordenador técnico, que ficam à frente das discussões em cada unidade. Estamos construindo coletivamente: comunidade socioeducativa, UFPB e Diretoria Técnica”, enfatizou Érica Renata.

O convênio com a UFPB foi assinado por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (Sedh) e conta com um Plano de Trabalho, envolvendo setores da Fundac e UFPB, a exemplo do Departamento de Educação da Universidade, do Núcleo de Direitos Humanos e da Ditec, a partir dos Eixos: Institucional e Pedagógico, Educação, Família e Estágio, Pesquisa e Extensão, além de outros de forma colaborativa. A parceria com a universidade se encerra em dezembro com apresentação do produto final, que contará com toda a Comunidade Socioeducativa da Fundac, representantes da UFPB e demais atores que compõem a rede de proteção.