Fale Conosco

8 de junho de 2016

Visitas domiciliares para combater o Aedes aegypti acontecem nesta quinta e sexta-feira em Jacaraú



A Secretaria de Estado da Saúde (SES), em parceria com o Corpo de Bombeiros e o município de Jacaraú (96 km da capital), promove, nesta quinta (9) e sexta-feira (10), visitas domiciliares nas comunidades onde foi registrado maior índice de infestação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus, uma das causas da microcefalia.A ação será das 8h às 16h, com a concentração próxima à feira da cidade.

As visitas contarão com a participação de 16 homens do Corpo de Bombeiros. Cada casa será visitada por uma dupla, formada por um bombeiro e um agente de controle de endemias (ACE), que dará orientações sobre a forma correta de evitar focos do mosquito.

A escolha de Jacaraú ocorreu porque, de acordo com o último Levantamento de Infestação Predial (LIRAa), o índice no município foi de 5,5%, o que é considerado de alto risco. De acordo com o LIRAa, uma metodologia que ajuda a mapear os locais com altos índices de infestação do mosquito Aedes aegypti, o índice aceitável é abaixo de 1%; acima de 1% é considerado de médio risco e acima de 3,9 %, de alto risco.

“Dos 25 municípios que integram a Primeira Gerência Regional de Saúde (GRS), 17 apresentaram índices de infestação entre médio e alto risco. Por isso, estamos finalizando um plano emergencial para apresentar aos municípios, contendo ações efetivas de combate ao mosquito”, disse o coordenador de Vigilância Ambiental da 1ª GRS, Daniel Silva de Oliveira.

O técnico da Vigilância Ambiental da SES, Luiz Almeida, lembra da importância da participação da sociedade nesta luta contra o mosquito. “Considerando que a maior parte dos focos é encontrada dentro das casas ou nas imediações, a população tem um papel primordial neste combate, evitando deixar água acumulada em recipientes, que vão desde uma inofensiva tampa de garrafa a depósitos maiores e ficar atenta às folhas e troncos de árvores. Neste período, ainda temos o agravante das chuvas, que requer uma atenção redobrada de todos nós”, falou.