Fale Conosco

15 de novembro de 2015

Vice-governadora, secretária de Tecnologia e presidente da Anid apontam legados do IGF



A vice-governadora da Paraíba, Lígia Feliciano, avaliou a realização da 10ª edição do Fórum de Governança da Internet (IGF 2015), organizado pela ONU e parceiros, com apoio dos governos federal e estadual, na Paraíba. “Estamos orgulhosos pelo sucesso do evento, acho que a Paraíba está de parabéns por sediar um evento que levou o nome de nosso estado para mais de 170 países”, destacou.

“Aqui foram discutidas várias sugestões, propostas e partiram daqui para o mundo todas essas ideias, então o Governo da Paraíba também está de parabéns por ter atraído o IGF graças à construção deste importante equipamento [Centro de Convenções]”, completou Lígia Feliciano, acrescentando que ficará para a Paraíba um legado intelectual, no turismo e também no setor de serviços de internet.

“Fizemos contatos com executivos da Google, com outras empresas e com o ministro das Comunicações. Portanto, tenho certeza que cada vez mais a internet será levada à toda Paraíba, aumentando o número de paraibanos com acesso a esse meio de comunicação”, pontuou.

Para a secretária executiva de Estado da Ciência e Tecnologia, Francilene Garcia,  o sucesso do IGF 2015 foi exatamente assegurar mais um novo ciclo de fóruns de Governança da Internet, já que o primeiro ciclo de dez anos foi concluído com esta 10ª edição realizada em João Pessoa. Em dezembro, em Nova Iorque, a ONU avalia a manutenção do fórum por mais um ciclo.

Outro legado importante que fica para o Brasil, de acordo com a secretária, a partir da contribuição que o IGF de João Pessoa trouxe, é que neste momento se discute a regulamentação do marco civil da internet, através do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGIbr), do qual ela é conselheira.

“A Paraíba soube aproveitar as agendas paralelas que ocorreram durante o IGF. Tivemos a oportunidade de encontrar vários líderes empresariais, embaixadores, importantes investidores, mostrando quais são as potencialidades da Paraíba e de que forma a gente pode avançar, então são vários legados em várias dimensões e os paraibanos ainda vão ouvir falar muito de agendas que foram construídas aqui no IGF”, ressaltou Francilene.

Para o presidente da Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid), Percival Henriques, que é conselheiro do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGIbr), e participou de cinco edições do Fórum de Governança da Internet, incluindo a de João Pessoa, o evento foi um marco e foi possível avançar em muitas propostas que vêm sendo discutidas nos últimos anos. “Para o bem da internet, as coisas estão dando certo, porque se não houver esse diálogo ela acaba. É uma estrutura consolidada, porém, frágil já que é uma rede, depende de acordos, de protocolos, de modelos”, pontuou.

Percival salientou que um dos legados que o IGF vai gerar na Paraíba é o despertar de milhares de estudantes, jovens que a partir da realização do fórum da ONU vão direcionar seus estudos com mais atenção ao que vem debatendo a Governança da Internet. “Ganhamos em quantidade de pessoas, em investimentos, e pelos próximos anos vamos colher os frutos desse Fórum”, complementou.