João Pessoa
Feed de Notícias

Unidades de Polícia Solidária reduzem criminalidade e promovem aproximação entre polícia e comunidade

segunda-feira, 19 de agosto de 2013 - 15:41 - Fotos:  Wagner Varela

A instalação de 11 Unidades de Polícia Solidária (UPS) na Paraíba tem trazido avanços na busca pela paz social. Nos bairros atendidos por essa nova doutrina de polícia, na qual a informação é um produto valioso e o cidadão comum a melhor fonte, a criminalidade tem caído. Em maio deste ano, em comparação ao mesmo período do ano anterior, a queda chega a 25% no número de crimes violentos letais intencionais (CVLI). O percentual é ainda maior quando comparado a 2011, chegando a uma redução de 36%.

Em números absolutos, a taxa de homicídios saiu de 14, em 2011, para 12, no ano seguinte, e nove, em 2013. “Tudo isso é fruto da qualificação continuada e dos investimentos feitos para melhor equipar as UPS e os policiais que atuam nela. A população vê o esforço da polícia, em especial daqueles policiais que estão diuturnamente lotados na UPS e servem especificamente àquela comunidade, criando um estreito laço de confiança e companheirismo”, pontuou o comandante geral da Polícia Militar da Paraíba, coronel Euller Chaves.

Ele lembrou que desde o início da implantação da Polícia Solidária na Paraíba foram mais de 1.900 pessoas capacitadas, entre policiais militares, policiais civis, bombeiros, guardas municipais, líderes comunitários e outros representantes da sociedade. Só este ano, a previsão é qualificar mais 640 pessoas.

Para mim foi uma honra participar dessa qualificação e, como membro da comunidade, me sinto feliz por poder multiplicar esse conhecimento e saber como participar mais ativamente nessa construção da segurança pública”, contou Eliezete Júlia, integrante da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano que em maio último fez o curso de Promotor de Polícia Comunitária.

Mais númerosNo acumulado do ano, os bairros contemplados com UPS também registram redução no número de homicídios. “Mesmo com o aumento em todo o Município de João Pessoa de 12% nos cinco primeiros meses do ano, este aumento não está ocorrendo nos bairros com UPS, que reduziram a criminalidade em 3% nesse período”, lembrou Euller.

Ele citou que cada UPS acumula resultados distintos, mas entre elas a de São José, na capital, destaca-se pelo alto índice de redução. No local, antes palco de vários homicídios envolvendo usuários de drogas, a redução chegou a 75%, saindo de oito crimes em 2012 para dois este ano (de janeiro a maio). Para o cabo Francisco Erivan Martins, que desde a instalação da unidade (em dezembro de 2011) atua na área, a qualificação do grupo foi essencial para o sucesso.

O comandante geral pegou uma equipe que fazia parte das missões da Força Nacional e era oriunda de várias tropas especializadas. Posteriormente, incrementou o efetivo da UPS com policiais novos, já formados dentro da filosofia de Polícia Comunitária. O resultado foi uma troca de experiência muito válida e que nos ajudou a fazer um trabalho diferenciado, com respostas rápidas. Aos poucos a população foi adquirindo um alto grau de confiabilidade na polícia e passou a nos informar e denunciar mais”, detalhou Erivan.

Vale destacar que mesmo sendo contabilizados os números de todo o bairro, o Mapeamento Criminal realizado pelo Núcleo de Análises Criminais e Estatística da Secretária de Estado da Segurança e Defesa Social identificou que a maioria dos casos de homicídios ocorre a certa distância das UPS. Isso demonstra uma inibição do crime em virtude do policiamento de proximidade com a comunidade. O bairro do Cristo, por exemplo, não registrou nenhum caso de homicídios (até maio de 2013), em num raio de 500 metros da UPS Bela Vista.

Unidades contam com sede estruturada

Para a instalação das UPS, uma série de investimentos em estrutura é feito na sede da unidade, a fim de proporcionar as ferramentas para os policiais realizem um policiamento eficaz. Todas as unidades passam por reforma antes de serem entregues à população, e recebem equipamentos como alojamentos, salas com ar-condicionado, computadores que permitem a consulta de dados de pessoas e veículos e ainda um sistema de videomonitoramento da unidade através de tablets instalados em viaturas.

Todos os policiais que atuam nas UPS ainda participam do Curso de Promotor de Polícia Comunitária, oferecido também para policiais civis, bombeiros, guardas municipais, integrantes do conselho tutelar e líderes comunitários. Entre as disciplinas ministradas no curso estão: Relações Interpessoais; Direitos Humanos; Mediação e Demais Meios de Resolução Pacífica de Conflito e Polícia Comunitária e Sociedade.

As 11 UPS instaladas pelo Governo do Estado em dois anos e meio

UPS do Alto do Mateus: (083) 8879-2590
UPS de Mandacaru: (083) 8619-2213
UPS da Bola na Rede: (083) 8716-7927
UPS do São José: (083) 8628-7040
UPS da Bela Vista: (083) 8797-2717
UPS Jardim Planalto: (083) 8835-1228

UPS Roger: (083) 8714-0119 

UPS Jaguaribe: (083) 8818-5369

UPS Geisel: (083) 8806-9501

UPS Multirão: (083) 8820-7211
UPS Pedregal: (083) 8864-1483

 

Projetos sociais

Além de um policiamento diferenciado, algumas das áreas contempladas com uma Unidade de Polícia Solidária (UPS) são beneficiadas por projetos sociais desenvolvidos por policiais militares. No bairro São José, que acumula uma das maiores reduções de criminalidade, um projeto intitulado ‘Caminho Certo’ tem estimulado a prática do esporte entre as crianças carentes.

Há mais de um ano, cerca de 100 crianças, na faixa etária de 9 a 16 anos, recebe aulas de Futebol ou Volley, em um campo próximo à comunidade. Na coordenação do projeto está o sargento Robson Marques, formando em Educação Física. “Temos aulas em dois dias da semana e as crianças estão bem empolgadas com a oportunidade de praticar um esporte. Durante as aulas, também conto com a ajuda do soldado Tarcísio, que dedica-se ao projeto nas folgas dele”, comentou Xavier.

Em Campina Grande, apesar do pouco tempo de instalação (em janeiro último), a UPS Mutirão também conta com projetos sociais idealizados por policiais militares. No local, 45 alunos de duas escolas públicas do bairro têm aulas semanais de futebol.

Temos notado um grande interesse das crianças pelo esporte e uma melhora na aprendizagem em todos os sentidos. Eles também estão mais educados e disciplinados, a escolinha tem surtido um efeito muito positivo”, contou o idealizado do projeto, o tenente Elias da Silva, que é ex-árbitro e jogador de futebol profissional. Junto com ele, trabalha no projeto o solado Suélio, formando em Educação Física.

Para o coordenador de Direitos Humanos e Integração Comunitária da Polícia Militar da Paraíba (PMPB), tenente coronel Valterlins Dutra, os projetos sociais de prevenção à violência são fundamentais na aproximação da Polícia Militar e a comunidade, além de possibilitar que jovens e adolescentes em situação de risco social tenham uma oportunidade de aprender novos valores, adquirir novos conhecimentos e estar menos suscetíveis as ‘má influencias’ de delinquentes inseridos na comunidade.