Fale Conosco

15 de maio de 2017

Unidades da rede estadual realizam ações para lembrar Dia Nacional de Combate à Infecção Hospitalar



Uma mesa redonda com a participação de vários profissionais de saúde para discutir a importância de se combater a infecção hospitalar dentro do Complexo de Pediatria Arlinda Marques vai dar continuidade, nesta terça-feira (16), à programação alusiva ao Dia Nacional de Combate à Infecção Hospitalar, comemorado neste 15 de maio. O evento será realizado às 15h, no auditório da unidade hospitalar. Outras unidades da rede estadual também estão realizando ações para lembrar a data.

No Complexo de Pediatria Arlinda Marques a programação teve início no último dia 5, com o “Dia de Lavagem das Mãos”, quando a equipe da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) realizou uma ação abordando a importância da lavagem das mãos antes de manusear os pacientes.

Já na quinta-feira (18), às 9 h, também no auditório do Complexo de Pediatria Arlinda Marques, será ministrada uma palestra sobre “A Importância da Higienização das Mãos como Profilaxia da Infecção Hospitalar”.

No Complexo Hospitalar Clementino Fraga, referência estadual no combate às doenças infectocontagiosas, esta segunda-feira (15) foi marcada por diversas atividades voltadas para a prevenção e controle das infecções hospitalares. A programação teve início às 9h, no auditório da unidade, com a realização da palestra sobre “Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde”. Às 14h30 foi abordado o tema “Prevenção da Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV)”. No final dos trabalhos, foram dadas orientações sobre higienização e desinfecção de superfícies.

Para a diretora-geral da unidade, Adriana Teixeira, é preciso manter um cuidado diário a fim de se evitar a infecção hospitalar. “Um dia como esse é de grande importância para os pacientes e profissionais do Clementino Fraga, pois o cuidado e o combate às infecções hospitalares são constantes na nossa unidade. Através de ações de higienização e outras prevenções, procuramos manter sempre um controle rígido de qualquer tipo de infecção, seja ela qual for”, destacou.

Já no Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) percorreu, nesta segunda-feira (15), toda unidade de saúde para orientar pacientes e servidores sobre a importância da higienização das mãos na prevenção de infecções hospitalares. Durante a ação houve a distribuição de álcool em gel 70% e de folders informativos. A ação vai acontecer também no Hospital de Traumatologia e Ortopedia da Paraíba (Htop), na quarta-feira (17).

Para a coordenadora do serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), Wilcélia de Albuquerque Queiroz, a higienização das mãos é uma medida simples que ajuda a prevenir a propagação das infecções relacionadas à saúde. “A lavagem de mãos é um ato simples e de extrema importância quando o assunto é controle de infecção hospitalar”, ressaltou.

Riscos – A Organização Mundial da Saúde estima que entre 5% e 10% dos pacientes internados em hospitais nos países desenvolvidos sofrerão uma infecção hospitalar. Nos países em desenvolvimento, o risco de adquirir essa infecção é pelo menos duas vezes maior.

A aquisição de uma infecção no ambiente hospitalar expõe pacientes ao risco de morte ou sequelas. Grandes cirurgias, internações em UTI e uso de medicações imunossupressoras – intervenções muitas vezes essenciais para salvar vidas – são os procedimentos mais frequentemente associados à incidência de infecções.

A Comissão de Infecção Hospitalar do Estado da Paraíba tem por finalidade atuar desenvolvendo um conjunto de ações deliberadas e sistemáticas, com vistas à redução máxima possível da incidência e da gravidade das infecções hospitalares e, assim, melhorar a qualidade da assistência prestada. Este trabalho é feito junto às comissões hospitalares, dando suporte técnico científico e operacional indispensáveis à eficiência das comissões.