João Pessoa
Feed de Notícias

UEPB terá contrapartida solidária para combater analfabetismo

sexta-feira, 1 de abril de 2011 - 15:29 - Fotos: 
O Governo do Estado lança neste mês de abril, dentro do Plano Estadual de Educação, a Legislação da Contrapartida Solidária, que estabelecerá que os estudantes de licenciatura, antes de se formarem, deverão alfabetizar pelo menos uma turma de 30 alunos. A meta do governo é reduzir o índice de analfabetismo que chega a 23% do Estado entre a população com mais de 15 anos.

O anúncio foi feito na manhã desta sexta-feira (1º) pelo governador Ricardo Coutinho durante aula inaugural do semestre no Campus V da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que está funcionando desde o dia 14 de março na Escola Estadual José Lins do Rego, no bairro do Cristo, em João Pessoa.  A solenidade contou com as presenças do governador, além da reitora da UEPB, Marlene Alves; do secretário de Educação do Estado, Afonso Scocuglia; do diretor do campus V, Elquio Eleomen, e da diretora da Escola José Lins do Rêgo, professora Luciana, além de professores e alunos.     
    
O Campus V da UFPB possui 786 alunos na graduação nos cursos de arquivologia, ciências biológicas e relações internacionais e 50 alunos em nível de pós-graduação com mestrado em ecologia e conservação e farmácia. A Escola José Lins do Rêgo conta também com 890 alunos no nível médio distribuídos em 26 turmas nos turnos da tarde e da noite e um Centro de Línguas com 500 alunos nas disciplinas do inglês, espanhol e francês.  
    
Neste sábado (2), também será aberta a primeira turma do ensino técnico no curso de Administração e Mercado Financeiro e, em breve, os cursos de Produção Cultural e Figurino e Adereços. O governador também pretende implantar cursos técnicos no Escola Estadual de Jaguaribe na área da construção civil; no Sérido e Curimataú, na área de mineração e em outras regiões do Estado cursos de técnicas agrícolas.

O governador Ricardo Coutinho disse que a parceria com a UEPB possibilitou fazer da Escola Estadual José Lins do Rêgo um mix entre o ensino médio, profissionalizante e superior que representa um caminho importante para que os estudantes não saiam da universidade ou do ensino profissionalizante apenas com o diploma, mas prontos para seguir uma profissão e construir um futuro melhor.   

Ricardo informou que a UEPB será parceira prioritária na inclusão de formação profissionalizante dentro do Ensino Médio, que será ampliado em vários municípios,com foco, inclusive, nos beneficiários da Bolsa Família. “A educação não pode continuar sendo um nó, pois é a grande solução para o nosso Estado, que tem o terceiro número de pesquisadores do Brasil e é um dos primeiros em inovação tecnológica, mas que amarga uma das mais baixas médias de escolaridade de apenas 5,5 anos”, ressaltou.   

Sobre a construção do novo Campus V da UEPB, o governador ressaltou que sai de um local pequeno e sem conforto para um espaço amplo, com laboratórios de informática, biblioteca climatizada num ambiente propício para o trabalho dos professores e para o aprendizado. “Outro fator importante será o desenvolvimento do bairro do Cristo, com a perspectiva de geração de novos estabelecimentos comerciais em torno da Escola José Lins do Rêgo”.

Novo Campus
– Ricardo destacou que o governo continua comprometido com a construção do novo campus da UEPB em João Pessoa, mas frisou que manterá alguns cursos na Escola José Lins do Rêgo porque a tendência da universidade é expandir com novos cursos superiores.     

A reitora da UEPB, Marlene Alves, disse que desde que foi aberto em 2006 o campus de João Pessoa passou por diversos locais, mas que não garantiam algo primordial que era a intersetoriedade e o espaço adequado para o aprendizado. “Sinto hoje que estamos plantando uma semente que dará bons frutos para uma nova educação na Paraíba, com  homens e mulheres comprometidos com um futuro melhor para si e para a sociedade”, completou.

A reitora destacou o mix entre o ensino médio, técnico e superior que contribui na formação da comunidade acadêmica e também que comunidade pode participar dos cursos de línguas e escola de artes. A aluna do curso de Relações Internacionais, Beatriz Rodrigues, lembrou que as condições de ensino no local em que a universidade funcionava em Tambiá eram precárias e pequenas, e agora estuda num local com cara e jeito de universidade, amplo, com laboratórios e bibliotecas e um excelente corpo docente.  

O secretário de Educação do Estado, Afonso Scocuglia, informou que no decorrer do semestre irá realizar obras de adaptação da unidade e do seu entorno com a construção da escola de artes, estacionamento, ginásio de esporte e auditório. Afonso destacou a viabilidade de construir um modelo de educação onde o ensino médio, técnico e superior estejam integrados com a academia e com a comunidade.