João Pessoa
Feed de Notícias

Treinamento envolve técnicos que atuam no atendimento a jovens vítimas de violência

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010 - 19:29 - Fotos: 
Depois de nomear 104 profissionais na seleção simplificada para os 20 Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas), a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Humano inicia, de terça-feira (23) até quinta-feira (25), a capacitação de todos os 180 profissionais que atuam no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de todos os tipos de violência. A abertura do evento será às 19h, no Hotel Caiçara, na Capital.

Segundo a  gerente executiva de Assistência Social, Josefa Rosemar de Oliveira, serão capacitados técnicos, psicólogos, advogados, assistentes e educadores sociais dos  20 Creas de pólos regionais e dos 22 Creas municipais monitorados pelo Estado.

“São técnicos e profissionais que irão atuar na ponta de atendimento aos usuários vítimas de violências, que inclui além de crianças e adolescentes, portadores de deficiência, mulheres e idosos. Nosso objetivo é sensibilizar as equipes multiprofissionais para uma prática atuante em relação ao acolhimento, atendimento, responsabilização, proteção e promoção de pessoas e ou indivíduos com seus direitos violados”, afirma Rosemar.

O técnico do Ministério do Desenvolvimento Social e de Combate à Fome, Carlos Alberto Ricardo Júnior, fará uma palestra de abertura sobre a questão da Proteção Especial no contexto atual e a tipificação nacional de serviços assistenciais.

Na quarta-feira (22), o coordenador e co-fundador do Centro Camará de Pesquisa e Apoio a Infância e Adolescência, de São Vicente, em São Paulo, vai falar sobre o papel do educador social. Durante à tarde, a advogada pela UFMG e pós-graduada em Direito Público, Heleno Godim, vai também discutir o papel do advogado no atendimento dos Creas.

O último dia do evento, na quinta-feira (25), será encerrando com as palestras da assistente Social, Maria Socorro Vieira, e da professora especialista em Violência Doméstica pela USP, Roseane Cavalcante da Cunha.

Janaína Araújo, da Assessoria da SEDH