Fale Conosco

27 de fevereiro de 2012

Trauma de Campina tem estoque baixo de sangue negativo e faz apelo a doadores



Com o estoque de sangue do tipo negativo, o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande faz um apelo para que doadores compareçam ao Hemocentro. De acordo com o diretor técnico, Flawber Cruz, todo o sangue que chega é importante para repor o estoque, mas atualmente a maior dificuldade continua sendo em relação ao sangue tipo “O” negativo.

Este tipo de sangue é compatível com todos os grupos sanguíneos, por isso, numa emergência, é o primeiro a ser usado. Pacientes com este tipo de sangue, no entanto, só podem receber do mesmo tipo. No último mês, o Hemocentro disponibilizou para o Trauma 754 bolsas de sangue, mas o hospital só conseguiu repor 240. Segundo Flawber Cruz, também em 2011 houve um déficit entre o consumo e a reposição de sangue.

O médico disse que com o aumento gradativo de internações e cirurgias, em que a média de utilização de bolsas de sangue corresponde a 50% das pessoas internadas, há a necessidade também de aumentar o estoque de sangue com doações voluntárias.

Para doar – A equipe da Agência Transfusional do Hospital de Trauma lembra aos doadores que é preciso estar em boas condições de saúde, ter entre 18 e 65 anos, pesar no mínimo 50 kg e não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 24 horas para fazer a doação. O doador também não pode ter tido hepatite após os 11 anos de idade.

Para doar sangue, os interessados deverão comparecer à sede do Hemocentro, em Campina Grande, munidos de documentos originais com foto.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), se de 3% a 5% da população brasileira fosse doadora, não haveria problemas de estoque. No entanto, hoje, menos de 2% faz doação de sangue com frequência.