João Pessoa
Feed de Notícias

Técnicos traçaram o perfil social e de trabalho dos agentes de saúde que atuam no controle e combate

quinta-feira, 12 de novembro de 2009 - 14:25 - Fotos: 
O Laboratório Central do Estado (Lacen-PB) foi premiado durante o ‘VIII Encontro do Instituto Adolfo Lutz 2009 – Laboratório de Saúde Pública no SUS, Ciência, Tecnologia e Vigilância’, que aconteceu em São Paulo, no último dia 22. Os técnicos do Lacen realizaram uma pesquisa que traçou o perfil social e de trabalho dos agentes de saúde que atuam no controle e combate à dengue no Estado.

O resultado da pesquisa vai ajudar a Vigilância Ambiental a reduzir e controlar a exposição dos agentes de saúde a substâncias químicas e tóxicas, na execução de suas tarefas diárias, melhorando a saúde desses profissionais.  

No evento de São Paulo, o Lacen foi reconhecido por desenvolver o ‘Melhor Trabalho em Patologia Clínica 2009’ ao defender o tema ‘Determinação da Concentração de Colinesterase Plasmática dos Agentes Ambientais do Estado da Paraíba no Ano de 2008’.

 
As colinesterases são enzimas que servem como indicadores associadas com sintomas para ajudar no diagnóstico dos casos de exposição às substâncias químicas potencialmente tóxicas quando não manuseadas de forma correta.  A alteração dessas enzimas serve de orientação para indicar uma possível exposição fora dos padrões preconizados pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o analista clínico Bergson Vasconcelos e autor do trabalho, a pesquisa foi realizada em 2008 e atingiu os 100% dos agentes ambientais de saúde distribuídos nos 223 municípios. Dos 1885 profissionais pesquisados apenas 7,2% apresentaram alterações na concentração de colinesterase plasmática no organismo, causadas pelo manuseio incorreto das substâncias químicas potencialmente tóxicas.

Bergson Vasconcelos explicou que o manuseio incorreto dessas substâncias pode causar lacrimejamento, salivação, excesso de secreção brônquica, vômitos, diarréia, incontinência urinária, convulsões, agitação, sonolência, e outros problemas de saúde.

Com essa pesquisa, o Lacen-PB pode tornar-se referência Norte/Nordeste no diagnóstico da colinesterase eritrocitária. O analista clínico afirmou que o reconhecimento do trabalho dar suporte técnico-cientifico para a implantação de metodologias mais modernas.

Bergson Vasconcelos, que também é assessor da Rede de Laboratórios de Saúde Pública do Lacen-PB, disse que, com essa premiação, as portas do Instituto Adolfo Lutz se abrem para a qualificação e capacitação em novas tecnologias a serem aplicadas em breve no Estado da Paraíba, como por exemplo, a implantação da dosagem de colinesterase eritrocitária no Lacen-PB, fazendo do Estado da Paraíba referência regional neste diagnóstico.

A pesquisa foi realizada pelo Núcleo de Produtos e Meio Ambiente do Lacen-PB, formado pelos técnicos Flávia Alves, Gerlânia Sarmento, João Ayres e Walércia Ataíde. Bergson Vasconcelos afirmou que estará em Brasília no período de 18 a 20 de novembro para expor o trabalho na 9ª Mostra Nacional de Experiências Bem Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças (Expoepi).  

“A expectativa é que num futuro próximo a Paraíba se torne referência Norte/Nordeste no auxílio ao diagnóstico na saúde do trabalhador e sirva como exemplo para as demais unidades federativas que pretendam desenvolver esse tipo de programa”, comentou.
 

Assessoria de Imprensa da SES/PB