João Pessoa
Feed de Notícias

Teatro Severino Cabral terá verba para reforma e recuperação

quarta-feira, 26 de maio de 2010 - 13:58 - Fotos: 
O Governo do Estado, através da Secretaria da Educação e Cultura, liberou R$ 712 mil para a reforma e recuperação do Teatro Municipal “Severino Cabral”, em Campina Grande, cuja obra totaliza investimentos superiores a R$ 1 milhão 250 mil. A ordem para liberação dos recursos foi publicada no Diário Oficial desta quarta-feira e cumpre o compromisso assumido pelo governador José Maranhão no final do ano passado.

Ao anunciar a liberação dos recursos, o governador José Maranhão comentou que a verba será suficiente para a Prefeitura de Campina Grande executar as obras de reforma do teatro, que considera um equipamento importantíssimo para a vida cultural do município, bem como da Paraíba.

Ele lembrou que a última restauração do “Severino Cabral” aconteceu durante o governo Burity, há mais de 20 anos.  As atividades do Teatro Municipal “Severino Cabral” estão paralisadas desde janeiro do ano passado. A obra de reforma e recuperação vai modernizar toda estrutura e solucionar problemas que prejudicam o funcionamento do teatro há décadas. A previsão é que os serviços sejam concluídos até o final de novembro.

Além da recuperação do sistema de ar condicionado, serão instaladas novas poltronas, novo carpete e realizada revisão e melhoria de todas as instalações hidrossanitárias e elétricas; recuperação do sistema de iluminação, sonorização e de combate a incêndios, além da implantação de rampas para permitir a acessibilidade a portadores de necessidades especiais.

O TEATRO

O Teatro Municipal "Severino Cabral" foi construído pelo prefeito Severino Bezerra Cabral – que lhe deu o nome – e inaugurado no dia 30 de novembro de 1963, às 10 horas. No mesmo dia, às 21 horas, apresentava-se em seu palco, o ator José de Vasconcelos, um dos maiores humoristas do rádio e da TV brasileira.

Com uma estrutura física inspirada num apito, o Teatro Municipal foi idealizado pelo arquiteto Geraldino Pereira Duda.

Cleane Costa, da Secom