João Pessoa
Feed de Notícias

Teatro de Arena recebe o lendário Trio Irakitan, nesta quarta-feira

segunda-feira, 12 de abril de 2010 - 18:26 - Fotos: 
O lendário Trio Irakitan volta a João Pessoa nesta quarta-feira (14) para estrelar a segunda apresentação do Projeto Seis e Meia 2010. O show acontece no Teatro de Arena da Fundação Espaço Cultural José Lins do Rego (Funesc), em João Pessoa. A cantora catarinense Juliana Muller, radicada há anos na Paraíba, abre a noite a partir das 18h30.

Os ingressos, à venda no Espaço Cultural, custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). O Projeto Seis e Meia é realizado pela Accorde Produções com o apoio do Governo do Estado, Funesc e Rádio Tabajara. Informações 83-8857-4765.

Irakitan – Conjunto vocal e instrumental surgido em Natal (RN) nos anos 50, o Trio Irakitan ficou conhecido pelas interpretações marcantes de boleros inesquecíveis.

O trio deu início à carreira excursionando pelo Caribe e Guiana Francesa. Depois de se apresentar fora do país, voltou ao Brasil e integrou o cast musical brasileiro, assinando com a antiga Odeon e gravando sambas, baiões, folclore e até músicas infantis. Mas foram as interpretações de ‘Perfídia’, ‘Aqueles olhos verdes’ e ‘Foi somente uma vez’ que fizeram a fama do grupo em todo o País.

 
Mais tarde, o grupo emplacou outros sucessos – a bordo do LP ‘Músicas Que Arrepiam (rebatizado mais tarde, já em CD, de ‘20 Super Sucessos’ – com canções como ‘Aparências’, ‘As rosas não falam’, ‘Negue’e ‘Explode coração’, entre outras.

Juliana Muller – Nascida em Blumental (SC), Juliana Muller costumava subir ao palco em tributos a Elis Regina. Pouco depois, a estrada fez parte da sua rebeldia leonina e a faz passar por Curitiba (PR), São Paulo, Búzios (RJ), Argentina e Itália.

 
A estrada lhe trouxe um gosto eclético. De volta ao Brasil, integrou grupos de jazz e até rock. Em 1995, em parceria com Juan Sone, passou a compor. As canções integraram o disco ‘Mujer de Amores’, onde sua voz embala reggae, blues, pop, merengue, bolero, foxtrot, passo doble e rock. Todo trabalho é baseado no amor, na poesia e na sensualidade da dança, já que sua bagagem carrega 15 anos de balé.