Fale Conosco

7 de março de 2017

Socioeducandos do Lar do Garoto participam de curso profissionalizante em Lagoa Seca



Uma oportunidade para 32 socioeducandos do Lar do Garoto, unidade socioeducativa da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Alice de Almeida (Fundac), em Lagoa Seca. Graças a uma parceria firmada entre a Fundac e o Ministério Público do Trabalho em Campina Grande, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) deu início ao curso profissionalizante de montador de calçados.

A ação é realizada através do projeto “Aprendizagem do Sistema Socioeducativo”, que busca profissionalizar jovens em situação de vulnerabilidade e em conflito com a lei, beneficiando socioeducandos em regime fechado, que estão sob pena de liberdade assistida ou prestam serviços à comunidade. O projeto é executado em outras sedes do Ministério Público do Trabalho pelo país.

Na Paraíba, a parceria pretende beneficiar os socioeducandos do Lar do Garoto com cinco tipos de cursos profissionalizantes: Confeiteiro, Montador de Calçados, Instalador Hidrossanitário, Operador de Microcomputador e Costureiro de Máquinas Industriais (Cama e Mesa).

A parceria teve início no fim de janeiro deste ano, com o curso de Confeiteiro destinado a 32 socioeducandos. Os demais cursos serão realizados até outubro deste ano e, em sua totalidade, atenderão a uma demanda de 164 socioeducandos.

Para o procurador do MPT de Campina Grande, Raulino Maracajá, a proposta do Projeto é capacitar internos através de cursos profissionalizantes que ofereçam oportunidades de trabalho no futuro. “Precisamos fomentar as entidades e empresas, sensibilizá-las para contratar os jovens, diminuindo assim, o índice de reincidência”, disse o procurador do Trabalho.

“Os cursos profissionalizantes representam uma oportunidade única de mudar o destino desses jovens, inclusive, oportunidade esta, negada antes da internação. O certificado de um curso ofertado pelo Senai abrirá as portas do mercado de trabalho para esses adolescentes, contribuindo de forma significativa para evitar a reincidência. Por outro lado, iniciativas como esta ainda ajudam a combater a ociosidade”, disse Noaldo Meireles, presidente da Fundac.