Fale Conosco

29 de junho de 2009

Sismama em vigor desde o dia 1º de junho para controlar casos da doença



Preocupada com a subnotificação relacionada a casos de câncer de mama na Paraíba, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) está orientando clínicas radiológicas e laboratórios credenciados pelo Ministério da Saúde para que exames de mastologia, histologia e citologia sejam registrados e alimentem o recém-criado Sistema de Informação do Controle do Câncer de Mama (Sismama).

Ano passado, 164 paraibanas morreram por causa desse mal, segundo o Sistema de Mortalidade da Secretaria (SIM/SES). A doença tem cura se for descoberta e tratada no início, mas o diagnóstico nem sempre é feito a tempo.

O Sismama foi implantado no início deste mês pelo Ministério da Saúde e, na Paraíba, está sendo monitorado pelo Núcleo Especializado de Apoio e Diagnóstico do Câncer da Secretaria de Estado da Saúde (Neadc/SES). Segundo a coordenadora do serviço e mastologista Débora Cavalcanti, o Sismama vai facilitar a consolidação dos novos casos de câncer de mama, a padronização dos laudos mamográficos, o acompanhamento dos casos detectados e diagnosticados e o seu tratamento.
        
Controle – Ainda de acordo com a coordenadora, antes do Sismama não existia um controle dos casos. “Nós sabemos que quanto mais cedo o diagnóstico, maior a chance de cura da paciente e, com a nova ferramenta, as informações das portadoras chegarão em tempo hábil para que se possa direcionar melhor o tratamento”, destacou a mastologista.

O Sismama entrou em vigor desde o dia 1º deste mês e foi criado especialmente para monitorar o alcance de metas contra o câncer de mama, como também facilitar o ressarcimento de recursos para os prestadores de serviço do SUS. Para a operacionalização do sistema, a SES vai descentralizar a base de dados, via e-mail, para as secretarias municipais de Saúde. Cada município terá sua base de dados para acompanhar as pacientes, mas cada prestador deverá baixar o Sismama via DataSus para começar a sua operacionalização.

A responsável pelas ações do câncer de mama do Neadc da SES, Roseane Soares da Nóbrega, informou que apesar do Sismama oficialmente vigorar a partir deste mês, as informações alimentadas no sistema só serão repassadas à coordenação estadual no final do próximo mês.

Recursos – Este ano, o Ministério da Saúde vai disponibilizar R$ 85,1 milhões para procedimentos contra a doença a partir de sua detecção precoce através do rastreamento populacional e tratamento da doença. O Instituto Nacional de Câncer estima que a Paraíba terá, este ano, 490 novos casos de câncer de mama.
 

Assessoria de Imprensa da SES-PB