João Pessoa
Feed de Notícias

Sinfônica Jovem abre temporada com Mendelssohn e Radamés Gnattali

quarta-feira, 17 de março de 2010 - 10:03 - Fotos: 
Sob a regência do maestro Luiz Carlos Durier, Orquestra Jovem se apresenta com peças de Felix Mendelssohn, Camille Saint-Säens e Radamés Gnattali, a Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba (OSJPB) dá início às suas atividades nesta quinta-feira (18), com concerto a partir das 20h30 no cine-teatro Banguê do Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa.
 
A apresentação, que ainda terá o violinista Ronedilk Dantas como solista convidado, é a segunda do projeto ‘Quintas Musicais’ deste ano. Teve início no último dia 11, com o concerto da Orquestra Sinfônica da Paraíba, que lotou o Bangüê. A entrada custa 1 kg de alimento não perecível.

A OSJPB dá início ao concerto com a abertura de “As Hébridas”, Op. 26. Também conhecida como “Gruta do Fingal”, a peça foi escrita compositor, pianista e maestro alemão F. Mendelssohn (1809-1847), famoso pela suíte “Sonho de uma Noite de Verão” (que inclui a famosa marcha nupcial)
 
“As Hébridas” nasceu de uma viagem que Mendelssohn fez à Escócia, em 1829. A visão da enorme gruta, constantemente batida pelas águas do oceano, serviu de inspiração para a criação desta equilibrada, fluida e sólida forma sonata.

“Esta música fascinante é boa para quem interpreta e para quem a ouve, pois os temas fixam-se na memória auditiva em fortes lembranças sonoras. A grande agilidade, por meio de texturas orquestrais coloridas procura sempre manter o ‘clima marítimo’”, comenta Durier.

Solista convidado

Na sequência, duas obras do compositor, pianista e organista francês Camille Saint-Säens (1835-1921): “Havanaise” para violino e orquestra, Op. 83, e “Dança macabra”, Op. 40”. Nesta, sobe ao palco o convidado da noite, o violinista Ronedilk Dantas.
 
Formado pela UFPB, premiado em vários concursos e integrante do Quinteto da Paraíba, Ronedilk é, hoje, professor de violino e música de câmara na Escola de Música da UFRN. Como solista, atuou sob a regência dos Maestros Osvaldo D´Amore, Osman Gióia, Rafael Garcia, Luiz Carlos Durier, Ernest Mahle, Carlos Veiga, Elena Herrera, Miguel Gilard e Eleazar de Carvalho.

“Dança Macabra, Op. 40” baseia-se num poema grotesco de Henri Cazalis. Aqui, a Morte é descrita como um violinista despertando esqueletos de seus túmulos à meia noite para uma dança estonteante. “Este poema sinfônico, em tempo de valsa, descreve o chocalhar dos ossos, a solidão do além. Tudo isso numa brilhante e engenhosa orquestração, onde o solista rivaliza com a orquestra e nós ganhamos uma fascinante música ligeira, ou seja, pura diversão”, ensina o maestro.

Brasil alegre

Após um breve intervalo, a Sinfônica Jovem volta para executar a peça “Sinfonia popular nº 1”, do brasileiro Radamés Gnattali (1909–1988). De estilo Nacionalista/Neoclássico, a obra de Gnattali (pronuncia “inátali”) transita brilhantemente pelas tênues fronteiras da música brasileira, indo do popular à música de concerto.

“O grande mestre conhecia muito bem a música da nossa terra, conviveu com os grandes da MPB em toda a sua vida”, pontua Durier. “Escrita entre 1955 e 1956, seus quatro movimentos nos levam a uma viagem por todas as regiões do Brasil, totalmente de bem com as nossas tradições musicais”, prossegue o maestro.
 
A sinfonia abre com um tema solene, quase religioso, contrastando com um segundo tema de caráter brincalhão. No segundo movimento, o tema é sonhador, apaixonado e reserva grandes emoções aos ouvintes. O Baião que segue é o espírito do nordestino homenageado nesta parte da obra, caracterizado pela virtuosidade das passagens das cordas. “O finale é apoteótico, grandioso como é o Brasil, vigoroso, espetacular é de deixar o ouvinte extasiado de alegria”, opina Durier.  
 
SERVIÇO

Quintas Musicais, com Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba
Regência: Luiz Carlos Durier.
Quando: Quinta-feira, 18 de março, às 20h30.
Onde: Cine-teatro Bangüê (Espaço Cultural, R. Abdias Gomes de Almeida, 800, Tambauzinho, João Pessoa – tel.: 3211.6281)
Quanto: 1 kg de alimento não perecível.

Assessoria de Imprensa da Funesc