Fale Conosco

8 de maio de 2012

Sinfônica apresenta concerto com obras de Beethoven, Haydn e do paraibano José Siqueira



A Orquestra Sinfônica da Paraíba (OSPB) apresenta, nesta quinta-feira (10), um concerto oficial com obras de pedagogos revolucionários, que prestaram importante contribuição à música erudita. O concerto começa às 20h, no Cine Bangüê, mas antes, às 19h, o regente titular da OSPB, maestro Alex Klein, faz uma palestra sobre o repertório e o músicos da noite.

Três obras estão programadas para o concerto orquestral. Ludwig van Beethoven abre o programa com a peça “Abertura Egmont”. Beethoven aproveitou a oportunidade de compor essa obra para expor sua decepção com Napoleão Bonaparte, após ter apoiado o general em suas conquistas militares. O compositor, que esperava uma mudança na organização social na Europa, ficou desapontado quando Napoleão assumiu uma postura aristocrata.

Na época, Beethoven aceitou escrever a música para uma peça de teatro sobre o Conde Egmond, cuja execução levou os Países Baixos a se levantarem contra o Duque de Alba, o que eventualmente levou à sua independência da Espanha.

A peça seguinte é de autoria de um renomado compositor que lecionou composição a Beethoven, trata-se de outro grande nome da música,o austríaco Franz Josef  Haydn. Dele, será executada a última sinfonia, a “Sinfonia n.104”, composta em 1795. Haydn foi um inovador musical, contemporâneo de Mozart, e contribuiu com a música brasileira.

Haydn teve outro respeitável aluno, Sigismund Neukomm, que veio ao Brasil no começo do século XIX, e passou seu conhecimento musical para José Maurício Nunes Garcia, no Rio de Janeiro. Sigismund trouxe obras de Mozart ao país, ajudando a estabelecer um método de composição baseado na escola de Viena. Ele abriu caminho para muitos outros compositores que em breve despontariam em solo nacional e seriam guiados por esses princípios de composição.

O concerto termina com uma obra de raízes paraibanas, de autoria do maestro José Siqueira, “Divertimento n. 2 para Orquestra de Câmara”.  Escrita em 1967, a obra divaga no lirismo pelo qual Siqueira era conhecido. Sua agressividade e dureza nesta obra, aliada a um movimento lento de tênue sensibilidade, levam a considerar o contexto da criação. O golpe militar ainda era recente. Um ano após a composição da obra, Siqueira foi forçadamente aposentado e teve suas peças proibidas de serem apresentadas no Brasil, devido às manifestações do músico, que continuou a carreira musical na União Soviética.

Serviço:

Concerto Oficial da Orquestra Sinfônica da Paraíba

Data: 10 de maio (quinta-feira)

Horário: 19h – Palestra com o Maestro Alex Klein / 20h – Concerto Oficial

Local: Cine Bangüê

Realização: Fundação Espaço Cultural da Paraíba