Fale Conosco

16 de abril de 2015

Setor de serviços da Paraíba registra 3º crescimento do país em fevereiro, revela IBGE



Apesar do cenário econômico difícil, o setor de serviços da Paraíba registrou o terceiro maior crescimento nominal do país, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços divulgada nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em fevereiro, o indicador que mede o faturamento do setor cresceu 3,3% sobre o mesmo mês do ano passado. O índice subiu bem acima do país (0,8%) e abaixo apenas dos Estados do Tocantins (7,9%) e da Bahia (4,5%).

Para se ter uma ideia da dificuldade da economia do país, o indicador em fevereiro registrou queda sobre o ano passado em 16 das 27 Unidades da Federação: Mato Grosso (-17,1%), Roraima (-8,6%), Piauí (-6,8%), Maranhão (-6,4%) e Acre (-5,1%) registraram os maiores recuos. (Veja o quadro completo do ranking).

No acumulado dos últimos doze meses até fevereiro, a receita do setor de serviços da Paraíba cresceu 6,7%, quinto maior índice do país. Distrito Federal (12,4%) e Santa Catarina (7,7%) lideram o índice. Os Estados do Nordeste tiveram desempenho melhor na pesquisa. Dos dez maiores altas do país em fevereiro, seis são do Nordeste. Além da Paraíba, Bahia, Ceará, Alagoas, Pernambuco e Sergipe tiveram índice positivo.

Segundo a pesquisa do IBGE, três dos cinco segmentos do setor registraram variações positivas: serviços prestados às famílias (6,8%), serviços profissionais, administrativos e complementares (3,6%) e serviços de informação e comunicação (0,6%).

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), primeiro indicador conjuntural mensal que investiga o setor de serviços no país, abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado.

 

Ranking da taxa de crescimento da receita de serviços e fevereiro e no acumulado de doze meses

Unidade da Federação Taxa de crescimento de fevereiro

 

 

Taxa de crescimento de

de doze meses

Brasil

0,8%

4,7%

Tocantins

7,9%

5,5%

Bahia

4,5%

6,9%

PARAÍBA

3,3%

6,7%

São Paulo

3,3%

4,5%

Pará

2,9%

3,5%

Santa Catarina

2,6%

7,7%

Ceará

2,1%

7,1%

Alagoas

1,1%

- 3,5%

Pernambuco

1,0%

2,9%

Sergipe

0,3%

1,9%

Rio Grande do Norte

0,0%

4,5%

Amazonas

- 0,3%

4,8%

Minas Gerais

- 0,1%

1,7%

Rio de Janeiro

- 1,0%

5,9%

Mato Grosso do Sul

- 1,2%

3,7%

Distrito Federal

- 1,6%

12,4%

Rio Grande do Sul

- 1,9%

3,3%

Espírito Santo

- 2,0%

1,8%

Paraná

- 3,1%

3,9%

Rondônia

- 2,5%

2,3%

Amapá

- 2,6%

- 2,9%

Goiás

- 4,3%

5,9%

Acre

- 5,1%

4,5%

Maranhão

- 6,4%

2,9%

Piauí

- 6,8%

- 0,9%

Roraima

- 8,6%

- 2,3%

Mato Grosso

- 17,1%

3,0%

Fonte: IBGE/PMS