Fale Conosco

13 de junho de 2011

SES realiza oficina com municípios sobre nova classificação de risco da dengue



A Secretaria de Estado da Saúde (SES) faz um alerta aos municípios paraibanos para a necessidade da notificação dos casos de dengue, procedimento de controle considerado fundamental para que a doença não avance na Paraíba. Algumas secretarias municipais estão atrasando o envio dos dados.

Nesta terça-feira (14), a SES realizará oficina sobre o protocolo de classificação de risco do Ministério da Saúde no município de Cuité, para treinamento de todas as cidades que compõem a 4ª Gerência Regional de Saúde.

O Ministério da Saúde lançou no início do ano a portaria 104, recomendando que Estados e Municípios devem notificar os casos graves e as mortes suspeitas por dengue em até 24 horas ao Ministério da Saúde. Com relação aos casos de dengue clássica segue o fluxo rotineiro de notificação semanal.

A gerente de vigilância em saúde da SES, Júlia Vaz, lembra a importância das notificações serem feitas assim que os casos cheguem às unidades de saúde. “A Vigilância Epidemiológica tem o papel de sinalizar as vulnerabilidades, e no caso da dengue ela é quem direciona o controle ambiental. Uma falha da epidemiologia pode comprometer as ações de bloqueio dos casos e favorecer a disseminação da doença, principalmente, no período de risco em que vivemos”.

Boletim número 20 – A Secretaria de Estado da Saúde vem fazendo um acompanhamento  semanal da dengue na Paraíba. Nesta segunda-feira (13) o boletim da dengue, que correspondente ao período de 29 de maio a 4 de junho (semana epidemiológica 22), registrou 3.542 casos de dengue clássica; 61 de dengue com complicação; 45 casos de febre hemorrágica; 1.209 foram descartados e 3.813 casos aguardam término da investigação para confirmação ou descarte. Este ano, foi registrado um óbito por dengue na Paraíba.

De acordo com a análise da gerente de vigilância em saúde da SES, a dengue na Paraíba apresenta uma situação de controle. “A avaliação positiva deste trabalho é constatada com a baixa letalidade que o Estado apresenta com um óbito registrado até agora. Outro ponto de avaliação positiva é que apesar da ocorrência de casos de dengue com complicações e febre hemorrágica, a nossa letalidade é considerada baixa, ou seja, 0,94 %. O Ministério da Saúde considera um ótimo padrão até 1,0 %”, explicou.

Segundo o boletim, na Paraíba 24 municípios apresentam casos com complicação da doença: João Pessoa (16), Campina Grande (12), Guarabira (5), Teixeira (4), Água Branca (2), Pombal (2), Santa Rita (2), São José de Piranhas (2), Alagoa Nova (1), Areia (1), Bonito de Santa Fé (1),Cajazeiras (1), Carrapateira (1), Catolé do Rocha (1), Duas Estradas (1), Lagoa de Dentro (1), Mulungu (1), Piancó (1), Pilar (1), Pirpirituba (1), Queimadas (1), Santana de Mangueira (1), São José da Lagoa Tapada (1) e Sobrado (1).

Em relação à febre hemorrágica foram registrados 22 casos: João Pessoa (16), Guarabira (5), Bonito de Santa Fé (2), Cabedelo (2), Mogeiro (2), São José dos Ramos (2), Campina Grande (1), Água Branca (1), Santa Rita (1), São José de Piranhas (1), Piancó (1), Alagoa Grande (1), Caturité (1), Diamante (1), Itaporanga (1), Jacaraú (1), Lagoa Seca (1), Marizópolis (1), Monteiro (1), Natuba (1), Serra Branca (1) e Sousa (1).