Fale Conosco

8 de setembro de 2009

SES investiga 45 casos e novo boletim confirma redução de notificações, a cada semana



A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou, nesta terça-feira (8), mais um boletim epidemiológico sobre a situação da influenza A (H1N1), na Paraíba. Desde o surgimento da nova gripe, foram notificados 131 casos suspeitos de influenza, sendo nove na última semana epidemiológica.

Trinta e sete deles foram registrados como síndrome gripal (SG) e 94 como síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e estão concentrados em 20 municípios do Estado. Dos notificados, 86 já foram encerrados, sendo 20 (23,3%) confirmados laboratorialmente para influenza, sendo 18 para a nova gripe H1N1 e dois para gripe sazonal. A análise do comportamento da doença nas últimas semanas mostra que continua havendo queda do número de notificações.

Dos 131 casos suspeitos, 66 (76,74%) foram descartados e 45 (34,4%) estão sendo investigados. Segundo a gerente de Resposta Rápida da SES, na 32ª semana epidemiológica (de 9 a 15 de agosto) houve um pico no número de notificações, com 29 registros de casos suspeitos. Na semana seguinte, (de 16 a 22), o número baixou para 24. Na 34ª semana epidemiológica (de 23 a 29 de agosto), o número caiu para 14 e a 35ª (que terminou no dia 5) fechou com nove casos notificados.

Segundo o boletim, João Pessoa continua liderando o número de notificações, com 81 registros. Em seguida, aparecem Campina Grande (com 15 casos), Cabedelo (8), Bayeux (5), Coxixola (3), Patos (2), Santa Rita (2), Bonito de Santa Fé (1), Capim (1), Catolé do Rocha (1), Congo (1), Fagundes (1), Guarabira (1), Itatuba (1), Lagoa Seca (1), Mamanguape (1), Pedras de Fogo (1), Pocinhos (1), São Bento (1) e Tavares (1). Outras três notificações foram registradas em pessoas de outros Estados que visitavam a Paraíba. Os 18 casos confirmados de H1N1 estão em João Pessoa (11), Cabedelo (3), Campina Grande (1), Coxixola (1), Guarabira (1) e Tavares (1).

Mortalidade – Entre os casos confirmados de gripe A, dois evoluíram para óbito. “A taxa de mortalidade pelo novo vírus pandêmico no Estado é de 0,05 óbito em cada grupo de 100 mil habitantes, enquanto o Brasil registra 0,34 óbito, por 100 mil habitantes. Os sinais e sintomas mais frequentes entre os casos de SRAG confirmados para o novo vírus foram: febre, tosse, dispnéia, mialgia e dor de garganta.

Dos casos confirmados, 50% são autóctones (adquiridos dentro do território paraibano). Os demais são importados, contraídos em outros países ou estados da Federação”, explicou a epidemiologista Diana Pinto.

O boletim mostra, ainda, que, entre os casos confirmados da nova gripe, há uma predominância do sexo masculino, com 55,6% do total (10 dos 18). “A média de idade é de 25 anos, variando de 13 a 61 anos e a faixa etária mais acometida é a de 20 a 34 anos (38,90%), seguida pela de 15 a 19 anos (27,80%). Foram notificados 11 casos suspeitos em gestantes.

Destes, dois foram confirmados para influenza A/H1, linhagem suína e os demais descartados. As gestantes confirmadas apresentavam fatores de risco para complicações e óbitos pela influenza – idade gestacional (3º trimestre) e co-morbidade pré-existente (cardiopatia e pneumopatia) – e, mesmo assim, evoluíram para a cura, sem complicações”, avaliou Diana Pinto.
 
 

Assessoria de Imprensa da SES-PB