Fale Conosco

17 de março de 2014

SES capacita médicos sobre o uso do sistema Aspiração Manual Intrauterina



Nesta segunda-feira (17), a Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Coordenação da Saúde da Mulher, está promovendo, durante todo o dia, no auditório da Maternidade Frei Damião, na capital, uma capacitação sobre o uso do sistema Aspiração Manual Intrauternia (AMIU), para médicos dos Hospitais Regional de Cajazeiras; Sinhá Carneiro, em Santa Luzia; Edson Ramalho e Universitário (HU), da capital; Maternidades Frei Damião e Cândida Vargas.

Esta é uma ação do Governo do Estado que tem a intenção de apresentar a cânula de AMIU que vem na perspectiva de diminuir a mortalidade materna. E nós não estamos falando somente em aborto legal, mas, sobretudo, no atendimento com qualidade para o aborto seguro”, disse Durvalina Lima, da Coordenação da Saúde da Mulher, da SES.

A palestrante da capacitação é a ginecologista obstetra Dra. Melania Amorim. Além de professora da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), ela é consultora da Secretaria Municipal de Saúde, de Campina, na área de saúde materno infantil; professora de pós-graduação no Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP) e faz parte do Núcleo de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Sexual, no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA), em Campina.

Dra. Melania explicou que a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que até 12 semanas de gravidez não deve ser feita a curetagem para abortamento e sim 100% do uso do AMIU e apresentou a cânula para o procedimento

O AMIU é mais barato, seguro, efetivo e pode ser usado sem anestesia geral. Se a mulher estiver relaxada, com o colo do útero aberto, dá até pra fazer sem anestesia e fora do centro cirúrgico, com menos complicações do que a curetagem”, disse a médica.

Outro ponto importante levantado por ela foi o atendimento humanizado. “Uma boa conversa já funciona como analgésico e na hora do procedimento, a paciente deve ser informada de tudo que está acontecendo. Cada mulher é um mundo e a gente tem que entender a ansiedade de cada e fazer um atendimento individualizado”, falou.

Quanto ao pós-parto, Dra. Melania falou que os serviços de saúde devem ficar atentos para, no caso da mulher não querer nova gravidez, já levar pra casa o método contraceptivo que escolher.

Segundo Durvalina Lima, na Paraíba o sistema AMIU já é utilizado nos Hospitais Edson Ramalho e Universitário (HU); Maternidades Frei Damião e Cândida Vargas, da capital e ISEA, de Campina Grande. Nos próximos dias será implantado nos Hospitais Peregrino de Carvalho, de Patos; Sinhá Carneiro, de Santa Luzia; Regional de Cajazeira e Santa Filomena, de Monteiro.