João Pessoa
Feed de Notícias

Seminário discute redução de acidentes de trânsito na Paraíba

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014 - 08:20 - Fotos:  Roberto Guedes

O Governo do Estado realizou nessa quarta-feira (3), no Hotel Netuanah, na Capital, o Seminário Estadual para Redução dos Acidentes de Trânsito. O evento, que proporcionou palestras e discussões durante todo o dia, contou com a participação de servidores da Secretaria de Estado da Saúde (SES-PB), Secretaria de Estado da Segurança Pública, Detran, Polícia Rodoviária Federal, Comitê Municipal de Trânsito e representantes da sociedade civil.

Entre as atividades programadas, os participantes puderam debater sobre vários temas relacionados ao trânsito, entre eles Mortes no Trânsito e Políticas para sua Redução, Operação Lei Seca: Experiência de dois anos na Paraíba, Os Desafios da Bptran/PB face à Crescente Inserção de Ciclomotores, Projeto Vida no Trânsito, Acidentes de Motocicleta, e Primeira Hora de Atendimento às Vítimas de Acidentes de Trânsito.

O Comitê de Monitoramento e Vigilância de Acidentes de Trânsito foi instituído em 2012 na Paraíba. De acordo com o secretário de Estado da Saúde e presidente do Comitê Movimento Vida no Trânsito, Waldson Souza, o cenário de acidentes de trânsito é preocupante no quadro da saúde pública. “Os acidentes de trânsito hoje figuram como a principal causa de morte no país e na Paraíba não é diferente. Os números são muito alarmantes, principalmente no que tange aos casos de acidentes envolvendo motocicletas”, disse ele.

Waldson comentou, ainda, que a maioria dos acidentes é grave. “Os casos envolvem pessoas numa faixa etária ativa e produtiva em situação de internação de longa duração em leitos de Unidade de Terapia Intensiva. Além de ocasiões que demandam amputações e inviabilizam a permanência social e o convívio no ambiente de trabalho, impactando na previdência social e outros encargos e custos indiretos”.

O secretário explicou que os acidentes no trânsito são problemas de saúde pública enfrentados nacionalmente e que a Paraíba está em constante trabalho para reverter o quadro. “Os órgãos paraibanos que atualmente fazem o controle e o acompanhamento da vigilância de trânsito estão envolvidos no Comitê. Com este Seminário, além de estabelecer metas, apresentar números e indicadores e planejar ações, nós vamos instituir em médio prazo um consenso de proposituras para que o debate possa chegar ao Congresso Nacional e ao Senado Federal com medidas ainda mais eficientes em termo de preparação para este tipo de problema”, revelou Waldson Souza.

Os dados são alarmantes. “São números que hoje se nivelam a situações de guerra. É uma realidade nacional e a Paraíba tem a ação permanente do Comitê há pelo menos dois anos e meio, junto com os hospitais – que são a porta de entrada desses acidentes – e órgãos de trânsito. Temos estratégias com ações preventivas e ostensivas durante períodos específicos do ano, como os de maior fluxo de pessoas no Estado. Produzimos estudos junto com o Ministério da Saúde e em parceria com outras secretarias, entre elas a de Educação”, afirmou.

É preciso perceber que este é um dos problemas mais sérios existentes hoje na saúde, em alguns momentos ultrapassando, por exemplo, os índices de morte por câncer. “Precisamos colocar o assunto em pauta prioritária, especialmente porque a maioria dos óbitos se dá por acidentes bastante evitáveis. A população precisa saber que para circular com veículos autorizados por lei é imprescindível que haja um treinamento mínimo para conduzi-los. Além da habilitação, um tempo de experiência e o cumprimento das leis de trânsito – até porque, muitos dos acidentes hoje registrados são provenientes do uso de álcool associado à decisão de dirigir”, alertou o secretário.

Palestra – Para ministrar uma das palestras, foi convidado o coordenador da Associação Brasileira de Educação de Trânsito no Ceará, Luiz Carlos Paulino. “Os acidentes de trânsito têm números preocupantes em todo o país. Apenas a fiscalização não é suficiente para combater este mal. O investimento na educação de trânsito pode e deve fazer a diferença para conter este quadro”.

Luiz Carlos comentou, ainda, que é preciso que exista um tripé basilar do trânsito seguro funcionando adequadamente. “Esse tripé é composto pela engenharia, a fiscalização e a educação. Sem educar a população, não diminuiremos os números. Nosso país é recordista em infrações de trânsito e, em decorrência disso, somos o país com mais mortes por este problema no mundo inteiro”, disse ele.

Fábio Soares é chefe do Núcleo de Acidentes da Polícia Rodoviária da Paraíba (PRF). Ele afirmou que o maior problema encontrado é o comportamento dos motoristas que insistem em dirigir de maneira inadequada. “O que temos buscado são as ações de fiscalização intensa, melhorado a infraestrutura das rodovias e investido em educação, que é o principal eixo para mudar o comportamento destes motoristas. Este seminário promove um momento de reflexão. A junção dos vários órgãos faz com que pensemos em propostas de medidas de redução dos acidentes de trânsito”. Fábio alertou que este mau comportamento é o que leva aos acidentes graves. “Excesso de velocidade, ingerir bebida alcoólica, manobras arriscadas, falta de uso de equipamentos de segurança. Tudo isso leva aos casos de acidentes, especialmente envolvendo motociclistas”.

De acordo com o secretário de Estado da Segurança e da Defesa Social e presidente do Conselho Estadual de Trânsito, Cláudio Lima, diante da situação na Paraíba, não há mais tempo para esperar. “Estamos diante de um estado caótico no que tange aos acidentes de trânsito. Estamos perdendo vidas em casos que com certeza poderiam ser evitados. Nossa intenção é divulgar e discutir maneiras eficientes para a redução das mortes e lesões graves no trânsito”, afirmou.

Acidentes de trânsito – O trânsito é a principal causa de mortes entre pessoas de 15 a 44 anos e provoca em todo o mundo 1,3 milhão de óbitos anualmente, de acordo com a Organização das Nações Unidas. No Brasil, pelos dados do Ministério da Saúde, mais de 35 mil pessoas morrem por ano. O trânsito brasileiro mata 2,5 vezes mais do que nos Estados Unidos e quase quatro vezes mais do que na Europa. A Pesquisa Nacional de Domicílios do IBGE em 2008 mostrou que de cada  200 cidadãos  no Brasil  cinco havia se envolvido em acidentes de trânsito no ano anterior.

Óbitos na Paraíba – Este ano, até então, foram contabilizados 699 mortes por acidentes de trânsito no Estado. Em 2013, foram 1.021 óbitos. Em 2012 e 2011, foram 974 e 807 óbitos, respectivamente.