Fale Conosco

9 de abril de 2012

Sedh e MP determinam interdição de abrigo de idosos em Esperança



Comida estragada, remédio vencido e falta de higiene foram as principais causas que levaram a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Humano (Sedh), por meio da Coordenação Estadual do Idoso, e o Ministério Público do Estado a recomendarem a interdição de uma Instituição de Longa Permanência de Idoso (Ilpi) em Esperança.

A coordenadora estadual da Política do Idoso da Sedh, Gabrielle Tayanne, recebeu a denúncia do Conselho Municipal do Idoso. “O local havia sido fechado no ano passado pelos mesmos motivos, mas reabriu. Recebemos a informação sobre o descaso e constatamos a precária situação em que duas pessoas estavam vivendo”, afirmou. Os dois idosos foram encaminhados para as famílias e serão acompanhados pelo Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas) do município.

Para o promotor Valberto Lira, da maneira como estava, a instituição não tem condições de funcionar. “Quando constatamos as péssimas condições de funcionamento, recomendamos a Vigilância Sanitária Municipal que interditasse o local, para evitar que a situação fosse agravada. O local foi fechado e reaberto com outro nome”, explicou.

Segundo Lira, no caso de um novo descumprimento, a diretoria deverá responder processo judicial. “Caso insista em reabrir, estará cometendo um crime e poderá ser processada por descumprimento a uma determinação da Vigilância Sanitária do Município”, ressaltou.

Fiscalização – Participaram da ação conjunta de inspeção, além da Sedh e do MP, os Conselhos de Enfermagem, Farmácia, Engenharia e Agronomia. Também acompanharam a fiscalização representantes do Corpo de Bombeiros e do Creas. Desde o ano passado, a Sedh, em parceria com o MP, fiscalizou mais de 30 Ilpis em todo o Estado.