João Pessoa
Feed de Notícias

Secult realiza treinamento e reúne gestores dos Pontos de Cultura do Alto Sertão

sexta-feira, 10 de julho de 2015 - 18:14 - Fotos: 

A Secretaria de Estado da Cultura da Paraíba realizou um treinamento com gestores de seis Pontos de Cultura do Alto Sertão paraibano. As visitas dos representantes da secretaria aconteceram na semana passada e tiveram como principal objetivo levar orientação em relação à prestação de contas anual.

Foram visitados os seguintes Pontos de Cultura: Ser Especial, gerido pela Apae, em São João do Rio do Peixe; Samba, Arte e Cidadania e Estação Cultura, ambos de Sousa; Vieirocultura,em Vieirópolis; Casa do Béradêro, no município de Catolé do Rocha; e Arte Cidadã, em São Bentinho.

De acordo com o gerente de Identidade Cultural, Antônio Sobreira, o intuito da visita foi resolver dificuldades de cada projeto através de reuniões de trabalho. “As recomendações servirão para agilizar e regularizar pendências das prestações de contas e assim favorecer a continuidade dos projetos”, pontua.

Com o propósito de assessorar os Pontos de Cultura da Paraíba, a Secult começou a realizar visitas técnicas para orientar os gestores culturais sobre questões contratuais relativas às análises das prestações de contas. De forma geral, os Pontos de Cultura trabalham com oficinas de formação, eventos de artes integradas, apresentações teatrais e cultura popular, funcionando com voluntariado ou através de projetos com outras parcerias.

As próximas visitas técnicas vão ocorrer nos pontos de cultura das cidades de Prata e Congo, no cariri paraibano, assessorando respectivamente os pontos de cultura livro em roda e o Som da Cidadania, nos dias 29 e 30 de julho.

Pontos de Cultura – São entidades ou coletivos culturais certificados pelo Ministério da Cultura que tenham poder de penetração nas comunidades e territórios sociais de vulnerabilidade. Ampliam-se a outros segmentos sociais, em especial, a juventude urbana, periférica, universitária, jovens artistas, novos arranjos econômicos e produtivos que encontram no fazer cultural uma alternativa de trabalho, vida e inserção social.