Fale Conosco

4 de fevereiro de 2013

Secretarias se unem para executar melhorias em aldeias indígenas



sedh discute melhorias em aldeias indigenas indio (1)O projeto de desassoreamento do Rio Simimbu foi um dos pontos discutidos com representantes de aldeias indígenas da Baía da Traição e Marcação. O encontro aconteceu, na semana passada, na Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (Sedh).

A secretária de Estado da Sedh, Aparecida Ramos, recebeu os indígenas e falou das melhorias que o Governo do Estado está realizando na área por meio das secretarias de Desenvolvimento Humano e da Mulher e Diversidade Humana.

“Além desse projeto de desassoreamento, também realizamos, no ano passado, ações de inclusão produtiva como cursos de horticultura e vamos construir seis aviários, dois já estão sendo executados. Esse conjunto de ações vai proporcionar autonomia produtiva para essa população”, afirmou.

Para Gilberta Soares, executiva da Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana, a ação conjunta visa agilizar o projeto.

“Uma das principais demandas da população da região é a limpeza do rio Simimbu. Então estamos tentando desburocratizar o processo de licitação para fazer a contratação das empresas. Este é um projeto que já existia e por conta de alguns entraves não foi efetivado”, disse Gilberta Soares.

Otimismo – Segundo um dos representantes da população indígena da região, Sandro Gomes Barbosa, as famílias das aldeias esperam que o projeto seja efetivado para que as famílias possam voltar a se beneficiar com o rio.

“Estamos saindo com uma boa notícia para levar para o nosso povo, porque o projeto de desassoreamento do rio entrará em licitação. Com isso, mais de 15 mil pessoas devem ser beneficiadas. Antes, a gente tirava o nosso sustento do rio, mas agora não estamos conseguindo produzir”, contou.

O coronel Fernando Chaves, da Casa Civil, também participou da reunião. “Uma das metas do Governo do Estado é a necessidade de levar para todas as tribos indígenas a independência financeira através do agronegócio. Isto possibilitará que a região tenha um novo marco histórico, não só com demarcação de terra, mas de melhorias para as famílias indígenas no estado da Paraíba”, disse.