Fale Conosco

13 de julho de 2009

Secretaria promove treinamento visando a fiscalização da água consumida pela população



A Secretaria de Estado da Saúde (SES) realiza, a partir desta terça-feira (14), uma capacitação sobre o Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua). A SES, cumprindo determinação do governador José Maranhão, quer que todos os municípios tenham condições de monitorar a água que seus moradores consomem, como medida preventiva de saúde pública. A capacitação vai se estender até o dia 16, no prédio onde funciona o escritório de representação do Ministério da Saúde, na Paraíba, na Avenida Diogo Velho, em João Pessoa.

Participam desse treinamento, 12 técnicos de seis gerências Regionais de Saúde. Na próxima semana, uma nova capacitação será realizada com representantes das outras gerências restantes. A capacitação vai contar também com a participação de um técnico do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). 

De acordo o gerente operacional de Vigilância Ambiental da SES, Nilton Guedes do Nascimento, o objetivo da capacitação é formar agentes multiplicadores que ficarão encarregados de repassar as informações técnicas sobre avaliação, controle e monitoramento da água aos municípios e como esses dados devem ser lançados no Sisagua.

Padrão de potabilidade – Nilton Guedes explicou que o monitoramento da água atende à portaria 518/2004 do Ministério da Saúde. O artigo 2º dessa portaria diz que toda a água destinada ao consumo humano deve obedecer ao padrão de potabilidade e está sujeita à vigilância da qualidade da água. “Isso vale para todas e quaisquer formas de abastecimento de água coletivas ou individuais na área urbana e rural, de gestão pública ou privada, incluindo as instalações intradomiciliares”, informou Guedes.

De acordo com a pactuação aprovada pela Comissão Bipartite, a SES vai fornecer aos municípios com até 10 mil habitantes o substrato cromogênico, substância usada para o tratamento água. A portaria prevê que municípios com menos de 10 mil habitantes realizem dez coletas por mês. “Essa água pode ser coletada nas torneiras, nas caixas d’água, cisternas, poços artesianos ou em qualquer outro local responsável pela distribuição de água à população”, explicou o gerente.

As amostras são enviadas aos laboratórios para análises bacteriológicas. Em todo o Estado são oito laboratórios, localizados em João Pessoa, Patos, Sousa, Cuité, Monteiro, Guarabira, Piancó e Campina Grande. Os dados sobre os resultados das amostras são colocados no Sisagua pelos próprios municípios.

Nilton Guedes disse que quando as amostras apresentam problemas, a primeira providência é o uso do hipoclorito de sódio a 2,5% para tratar a água e matar as bactérias. A água contaminada pode causar doenças como a cólera, a hepatite A e diarréias.

Assessoria de Imprensa da SES-PB