João Pessoa
Feed de Notícias

Secretaria de Saúde realiza atividades da 4ª Semana de Luta Antimanicomial

terça-feira, 13 de maio de 2014 - 11:28 - Fotos: 

A 4ª Semana Estadual de Luta Antimanicomial, organizada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), realizará atividades em 43 cidades da Paraíba até a sexta-feira (16). O evento foi aberto na noite da segunda-feira (12), no auditório do campus da UFPB em João Pessoa, com o tema “Em cada loucura um grito de liberdade”.

“A partir desta data, fica claro o nosso desejo de que as pessoas sejam cuidadas em liberdade, valorizando seus direitos e sendo respeitadas como seres humanos. A Paraíba tem se empenhado em dar toda a assistência necessária a esses usuários”, disse a coordenadora Estadual de Saúde Mental da SES, Shirlene Queiroz.

A 4ª Semana Estadual de Luta Antimanicomial começou no último dia 9 na cidade de Teixeira com uma caminhada pelas principais ruas da cidade e palestra sobre a importância do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) para a comunidade. No domingo (11), no Conde,  houve uma passeata dos usuários dos serviços de saúde mental, familiares e profissionais de saúde.

No total, estão envolvidos nas atividades 43 municípios onde existem serviços destinados a doentes mentais. A programação antecipa a mobilização em torno do Dia Nacional de Luta Antimanicomial que transcorre no domingo (18). Entre as atividades estão exposições, rodas de conversas, palestras, passeios, oficinas culturais, panfletagens, conversas com estudantes e outros eventos.

Em João Pessoa, a programação começou na segunda-feira (12), pela manhã, com uma mesa-redonda sobre “Atenção Básica e Saúde Mental”; à tarde houve uma palestra sobre “Medidas de Segurança e Saúde Mental” e foi instalada no hall de entrada da reitoria da UFPB uma exposição de peças produzidas por usuários do Caps AD Rangel com material reciclável.

Entre os trabalhos nessa exposição destacaram-se estandartes onde se liam frases tais como “Loucura com amor se cura”, “Tem cheiro de tesão faz amor na contramão” e “Rasgar o verbo, mostrar a cara”.

“Para nós frases como ‘Agora fiz mostarda em 18 andares’ podem não ter nenhum sentido, mas para os usuários é bem natural. Como o tema da oficina foi expressar o que estavam sentindo, naquele momento, o resultado foi bem significativo para a realidade deles”, explicou o artista plástico Neuri Mossmann, que ministrou oficina com os pacientes.
Entre os presentes ao evento, aberto ao público, estiveram trabalhadores da rede SUS, usuários de Caps e familiares, além de sindicatos, associações e conselhos de classe. A coordenadora de saúde mental de Princesa Isabel, Cristina Pereira, falou sobre a importância do encontro: “A luta é de todos nós e o tratamento humanizado é de extrema importância. Este já é o terceiro ano que participo do evento e nós sempre levamos muito conhecimento e novidades para o interior. Em Princesa Isabel, por exemplo, nós já implantamos uma rede de atenção psicossocial completa”, destacou.

Primeiro lugar – A coordenadora Shirlene Queiroz avalia que o Estado tem muito a comemorar: “Nós temos a rede mais potente do país, pois somos primeiro lugar em números de serviços por habitantes. Há uma franca expansão dos serviços, em todas as regiões de saúde e, ao mesmo tempo, estamos eliminando uma situação terrível, na qual os pacientes que moravam em hospitais psiquiátricos. Do total de 55 pessoas, 40 já voltaram ao convívio familiar”, disse.

Há duas semanas Josicleide Rufino, de 23 anos, saiu do Hospital Juliano Moreira onde ficou interna por cinco anos. Na segunda-feira (12), à tarde, ela deu um depoimento emocionado para os participantes do evento em João Pessoa. Contou que está morando em casa de amigos porque a própria família não a quer devido ao preconceito com “loucos”: “Se a minha família me deu as costas, imagine o restante da sociedade! Sou do interior e voltei pra lá e quando ando nas ruas, sou apontada como ‘a louca’, ‘a doida que saiu do Juliano Moreira’, mas não vou dar importância ao preconceito. Preciso ir à luta e recomeçar minha vida”, falou.

O evento será encerrado na próxima sexta-feira (16), às 16h, com uma  marcha saindo do Parque Solon de Lucena até a Praça do João Pessoa. A expectativa é reunir mais de 700 pessoas.