Fale Conosco

16 de novembro de 2011

Secretaria de Saúde faz alerta no Dia Nacional de Combate à Tuberculose



Tosse consecutiva por mais de três semanas já é um sintoma de tuberculose e um motivo para que as pessoas procurem atendimento nas Unidades Básicas de Saúde para fazer o diagnóstico da doença. Nesta quinta-feira (17), é comemorado o Dia Nacional de Combate à Tuberculose. Para marcar a data, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) faz um alerta à necessidade de procura pelos serviços de saúde para o diagnóstico e o tratamento da doença.

Além das 1.231 equipes de Saúde da Família (referências primárias), os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) podem conseguir o diagnóstico da tuberculose nas referências secundárias de Campina Grande e Patos ou na referência terciária, que é o Hospital Clementino Fraga.

Alguns pacientes não exibem nenhum indício da doença, outros apresentam sintomas aparentemente simples, que são ignorados durante alguns meses (ou anos). Contudo, na maioria dos infectados, os sinais e sintomas mais freqüentemente descritos são tosse seca e contínua no início, depois com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformando-se, na maioria das vezes, em uma tosse com pus ou sangue; cansaço excessivo; febre baixa geralmente à tarde; sudorese noturna; falta de apetite; palidez; emagrecimento acentuado; rouquidão; fraqueza e prostração.

Os casos graves apresentam dificuldade na respiração; eliminação de grande quantidade de sangue, colapso do pulmão e acumulo de pus na pleura (membrana que reveste o pulmão) – se houver comprometimento dessa membrana, pode ocorrer dor torácica.

Contaminação – O cuidado também deve ser estendido à família e às pessoas que convivem com o paciente, porque a doença pode ser transmitida pelas vias respiratórias orais por meio de gotículas de saliva, por exemplo, na fala, tosse ou espirro, ou ainda quando compartilhado o uso de objetos como copos e talheres.

Apesar da facilidade de contaminação, a tuberculose tem cura. O tratamento é medicamentoso e dura seis meses. São utilizados quatro medicamentos, todos disponibilizados gratuitamente pelo Ministério da Saúde, por meio SES: rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol. Depois que chegam ao Estado, os medicamentos são encaminhados para as Gerências Regionais de Saúde e chegam aos pacientes pelas Unidades Básicas de Saúde.

Casos na PB – Em 2010, a SES registrou 1.074 novos casos da doença na Paraíba. Neste ano, o total já chega a 787 casos notificados. A meta do Governo do Estado é alcançar o índice de 85% de cura da doença.

De acordo com a chefe do Núcleo de Doenças Endêmicas, Mauricélia Holmes, a tuberculose atinge, principalmente, as pessoas em idade produtiva, entre os 15 e 49 anos. “A maioria é do sexo masculino, que geralmente está mais exposta na rua e no trabalho. As doenças geralmente acontecem com a população de classe social baixa, devido às condições precárias de habitação e saúde”, observou.

Para se prevenir contra a doença, é necessário imunizar as crianças com a vacina BCG. Crianças soropositivas ou recém-nascidas que apresentam sinais ou sintomas de Aids não devem receber a vacina. A prevenção inclui evitar aglomerações, especialmente em ambientes fechados, e não utilizar objetos de pessoas contaminadas.