Fale Conosco

27 de fevereiro de 2012

Secretaria da Saúde promove treinamento sobre novo manejo clínico da dengue



A Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Gerência Executiva de Vigilância em Saúde, está promovendo, nesta segunda e terça-feira (27 e 28), um treinamento sobre o novo manejo clínico da dengue para 800 profissionais, entre médicos e enfermeiros que trabalham nas unidades de saúde de todo Estado.

O evento ocorre de manhã e à tarde desta segunda e na tarde da terça, no Hotel Ouro Branco, em João Pessoa. Já na manhã da terça-feira, o treinamento acontecerá na sede do Conselho Regional de Medicina (CRM-PB), também em João Pessoa.

As instruções estão sendo dadas pelo assessor de gabinete da Secretaria de Assistência à Saúde, do Ministério da Saúde (MS), Rodrigo Said. Segundo a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Júlia Vaz, o objetivo é oferecer subsídios para que os profissionais identifiquem e tratem, precocemente, os casos suspeitos de dengue. Durante o evento, os profissionais recebem ainda o material gráfico que deverá ser consultado durante o atendimento aos pacientes.

Uma das participantes é a enfermeira Viviane Ferreira de Oliveira, que trabalha no Hospital Regional de Monteiro. “As palestras fixam mais na nossa mente as formas corretas de atuar na prevenção e no tratamento da dengue”, disse. Para o médico Paulo Sérgio Franca de Athayde, que trabalha no Hospital Regional de Patos e na Unidade de Saúde da Família de Passagem, o evento ocorre numa boa hora, com ensinamentos que serão incorporados à prevenção. “São muito úteis, principalmente agora, quando se aproxima o período chuvoso, época em que aumentam os casos de dengue”, previu.

 

Segundo Júlia, nos dois primeiros meses deste ano não houve registro de óbitos por dengue – e 2011 foi o ano com a menor taxa de morte dos últimos cinco anos. Ela lembrou que, recentemente, foi inaugurada uma ala nova no Hospital Clementino Fraga, em João Pessoa, dentro das normas e padrões estabelecidos pela Vigilância Sanitária, para o atendimento das formas graves da dengue. “Com isso, passamos a ter mais uma referência no tratamento dessa doença, já que antes havia somente o Hospital Universitário”, concluiu.