Fale Conosco

1 de junho de 2012

Seap transfere 160 presos do complexo PB-1 e PB-2



A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), por meio da Gerência Executiva do Sistema Penitenciário (Gesipe), transferiu, nesta sexta-feira (1), 160 detentos do Complexo Penitenciário Romeu Gonçalves de Abrantes (PB-1 e PB-2) para três presídios da Grande João Pessoa. Cerca de 200 policiais militares, agentes de segurança penitenciária, bombeiros militares, equipes do Batalhão de Policiamento de Trânsito – BPTran e do Samu participaram da ação.

Um total de 100 detentos foi transferido para a Penitenciária Desembargador Sílvio Porto, em Mangabeira; outros 30 presos para a Penitenciária Jurista  Geraldo Beltrão, a Máxima de Mangabeira; e mais 30 apenados para a Penitenciária Padrão de Santa Rita. A lista dos 160 presos está na guarita do Complexo Penitenciário Romeu Gonçalves de Abrantes à disposição dos familiares. O 160 apenados transferidos não participaram da rebelião ocorrida na noite da terça-feira (29) e na manhã da quarta-feira (30). Os 500 detentos que promoveram a rebelião permanecem no complexo PB-1 e PB-2.

O plano de remoção dos presos foi traçado na noite desta quinta-feira (31) pelas Secretarias de Administração Penitenciária e de Segurança e Defesa Social e pelo  Comando Geral da Polícia Militar. A transferência foi necessária para que os 500 detentos que se rebelaram fossem remanejados de celas e para que seja feita uma varredura completa no pavilhão 2 do PB-1, bem como a recuperação dos três pavilhões danificados pelos apenados. Na terça-feira (29), o complexo estava com 670 presos.

Sob o comando do gerente do Sistema Penitenciário, tenente-coronel Arnaldo Sobrinho, a operação transcorreu dentro dos padrões de segurança, com todos os presos transferidos devidamente identificados e com a recomendação de ficarem separados dos demais detentos das penitenciárias para onde foram levados. “Todos os presos estão relacionados, foram feitas fotos de cada um e remetidos os prontuários a partir do sistema de informações penitenciárias, além da própria revista e acolhimento aos ambientes adequados em cada unidade penal”, assegurou o tenente-coronel Arnaldo Sobrinho.

O gerente da Gesipe informou que os efetivos da Polícia Militar envolveram equipes da Rotam, Choque, Policiamento Ambiental, Canil, Força Tática, Gate, além do Grupo Penitenciário de Operações Especiais (GPOE). A recuperação do presídio já está sendo planejada pela Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado da Paraíba – Suplan.

Uma sindicância está sendo instaurada para identificar os líderes da rebelião. Os identificados serão processados pelos danos que causaram ao patrimônio público.