Fale Conosco

24 de abril de 2014

Seap realiza cadastramento biométrico para identificação de reclusos e visitantes



A Penitenciária de Segurança Máxima Criminalista Geraldo Beltrão, em Mangabeira, está realizando, desde quarta-feira (23), o cadastramento biométrico de visitantes daquela unidade prisional e, posteriormente, será a vez dos reclusos. Até o momento, 60 visitantes já realizaram o procedimento, que seguirá até o dia 1º de junho, com a utilização de uma maquineta da Secretaria de Administração Penitenciária e outra fornecida pelo Instituto de Psiquiatria Forense (IPC).

Esta é mais uma etapa do processo de centralização e padronização de troca de informações sobre apenados na Paraíba iniciado pela Seap no ano passado, com a implementação do Sistema de Integração da Administração Penitenciária (Siapen).

O secretário de Administração Penitenciária, Wallber Virgolino, enfatizou que o sistema já interliga informações entre diferentes equipamentos de segurança e com mais esta etapa, prevista para ser concluída até o meio do ano, a Seap terá mais um importante elemento de combate às ações do crime organizado dentro e fora dos presídios. “O cadastramento biométrico de visitantes e reeducandos é, sem sombra de dúvidas, mais um passo importante para a implementação de novas estratégias de atuação e, consequentemente, representa a melhoria da prestação de serviços no sistema penitenciário paraibano, que já é modelo para o resto do Brasil”, disse.

O sistema, que utiliza a tecnologia biométrica, já está funcionando diversas unidades prisionais e foi cedido pelo Ministério da Justiça, devendo ser ampliado para toda a Paraíba. Um dos módulos é destinado às consultas de informações dos apenados já cadastrados, como um prontuário digital com fotografia e histórico. O outro, além de apresentar o cadastro, permite o acompanhamento de diferentes serviços, como a situação disciplinar, clínica médica, educação, acompanhamento jurídico, serviço social, trabalho e terapia ocupacional.

O diretor da Penitenciária de Segurança Máxima de Mangabeira, João Rosas, destacou que o cadastramento biométrico está sendo realizado de maneira pioneira em nosso Estado, “e possibilitará uma maior segurança e celeridade ao processo de identificação dos visitantes, bem como dos reeducandos da unidade prisional”.