Fale Conosco

7 de março de 2013

Seap abre inscrições para exame de certificação do ensino fundamental



Os reeducandos do Estado da Paraíba que não tiveram a oportunidade de concluir o ensino fundamental na idade correta poderão obter o seu diploma através do Exame Nacional de Certificação de Competências para Jovens e Adultos (ENCCEJA), cujas provas serão aplicadas no próximo dia 14 de maio, nos estabelecimentos prisionais da capital e do interior.

As inscrições começam no próximo dia 11 de março, e vão até o dia 12 de abril, e serão realizadas em cada unidade prisional por um coordenador pedagógico ou pelo diretor do estabelecimento. Até o fim do prazo, a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap) estará finalizando o processo de adesão e assinatura do termo de responsabilidade junto ao INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira), órgão responsável pela gerência do exame.

O coordenador de Educação Prisional da Seap, professor Mazukyevicz Silva, explicou que esta é a primeira vez que o Encceja é aplicado nas unidades prisionais o Estado. “Estamos formalizando o processo de adesão junto ao Inep até o dia 15 de março para que a aplicação do Encceja no Estado possa alcançar resultados bastante positivos, a exemplo do Enem 2012, que alcançou um número 5 vezes maior que no ano anterior, e assim, funcione como um poderoso instrumento de cidadania no espaço prisional”, acrescentou.

Os reeducandos inscritos farão provas de Língua Portuguesa e Redação, Língua Estrangeira, Matemática, Educação Física e Educação Artística, História, Geografia e Ciências Naturais, e para auxiliá-los no exame, os professores das escolas prisionais poderão acessar o material didático de apoio disponível no site do Inep http://encceja.inep.gov.br/materiais-para-estudo.

Para a gerente Executiva de Ressocialização da Seap, Zioelma Maia, as ações na área da educação são uma das prioridades da política de ressocialização do Estado. Não só porque capacitam os reeducandos para as exigências do mercado de trabalho mas, sobretudo, porque resgatam a dignidade humana, na medida em que ampliam as possibilidades para além do mundo do crime.

Ainda segundo a gerente, as atividades do ano letivo nas escolas prisionais vão começar nas primeiras semanas de março. “Desde o início do ano, estamos ampliando as ofertas de cursos de qualificação profissional para os privados de liberdade. Até o final do ano, estaremos ofertando aproximadamente 800 vagas nos cursos de capacitação oriundos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), porque acreditamos que a educação valoriza a pessoa do reeducando”, explicou.