João Pessoa
Feed de Notícias

Saúde treina profissionais para atendimento a fumantes

terça-feira, 25 de maio de 2010 - 16:49 - Fotos: 

A médica psiquiatra Vanilda Cazé é um exemplo de determinação para quem quer deixar o vício de fumar. Ela foi uma das participantes da capacitação em abordagem e tratamento do fumante, promovida pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), durante todo o dia desta terça-feira (25), no Hotel Verde Green, na Praia de Manaíra. O treinamento foi para cerca de 120 profissionais de saúde (médicos, enfermeiros e psicólogos) da atenção básica, que atuam em 40 municípios paraibanos com mais de 10 mil habitantes, que devem implantar, até julho, centros de atendimento ao fumante.

Os participantes do curso fazem parte das 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, 11ª e 12ª gerências regionais de Saúde. A chefe do Núcleo de Doenças e Agravos Não transmissíveis da SES, Lourdes de Fátima Sousa, explicou que o evento é uma preparação para a implantação de centros de atendimento ao fumante em 40 municípios e que, no mês de junho, essa mesma capacitação será realizada para os profissionais da 1ª, 2ª e 3ª gerências regionais de Saúde.

Depoimento – Vanilda Cazé, representante do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) da cidade de Conceição, no Vale do Piancó, contou que começou a fumar na adolescência, quando roubava cigarros do pai e entregava as internas de um colégio de freiras onde estudava. “De tanto eu acender o cigarro na vela do sacrário do convento acabei me viciando e me tornando uma dependente do fumo e fumava desesperadamente”, lembrou, acrescentando que chegou a fumar 100 cigarros por dia.

Ela disse que mesmo depois de se formar em Medicina continuou fumando e, por causa do vício, tinha vergonha e não encontrava argumento para pedir aos seus pacientes que deixassem o vício. Vanilda Cazé contou que chegou a ser secretária de saúde do município de Nova Olinda e sempre que tinha ações voltadas para o combate ao tabagismo não se sentia à vontade e com respaldo para falar sobre o assunto. A médica disse que no dia 15 de outubro de 1998 acendeu um cigarro pela última vez. “Hoje como toda ex-fumante, eu sou chata e não suporto sentir o cheiro da fumaça do cigarro. Me dá náuseas”, afirmou. 

Hoje, ela trabalha no Caps de Conceição, com a psicóloga Thays Figueiredo e a enfermeira Sheyla Vieira.  Elas contaram que no Caps é grande o número de pessoas que fumam e, por causa disso, tiveram que criar um fumódromo. “Agora vamos trabalhar para conscientizar essas pessoas sobre os malefícios do fumo e ajudá-las a abandonarem o vício, que só traz danos à saúde”, disse a psicóloga Thays Figueiredo.
 
Ações para combater o tabagismo – Um dos palestrantes da capacitação foi o diretor-técnico da Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa), Jorge Alberto Molina, que falou da importância das constantes campanhas e outras ações de caráter educativo e preventivo que o Governo do Estado vem realizando para combater o tabagismo. Ele também destacou a criação das leis estadual e municipal que proíbem o uso do cigarro em ambientes fechados, o Festival de Grafitagem contra o Tabagismo, que já foi realizado por duas vezes em João Pessoa e está acontecendo agora em Campina Grande.

Jorge Molina afirmou que com esse trabalho de conscientização, combate e prevenção, a Paraíba tem conseguido reduzir o número de fumantes. Ele destacou que esse objetivo vem sendo alcançado graças à parceria de outros segmentos da sociedade como o Ministério Público, a Associação Brasileira de Bares e Restaurante (Abrasel) e os próprios municípios. “Temos conseguido bons frutos, mas não podemos parar e, por isso, estamos capacitando esses municípios para se engajarem nessa luta, que com certeza não é fácil”, disse Molina.

 

Da Assessoria de Imprensa da SESPB