Fale Conosco

3 de julho de 2013

Saúde promove capacitação sobre Teste Rápido para Leishmaniose em Guarabira



A Secretaria de Estado da Saúde (SES) por meio da Gerência Executiva de Vigilância em Saúde e do Núcleo de Controle de Zoonoses realiza, nesta quarta-feira (3), na cidade de Guarabira, a capacitação (teórica e prática) para implantação do Teste Rápido para o diagnóstico da Leishmaniose Visceral Canina (LVC). O evento acontece durante todo o dia no auditório da 2ª Gerência Regional de Saúde e reúne técnicos da área de zoonoses de 14 municípios da região do Brejo Paraibano. Na Paraíba, quatro laboratórios do Estado localizados nos municípios de João Pessoa, (Lacen), Cajazeiras, Patos, e Campina Grande realizam o diagnóstico do calazar.

O chefe do Núcleo de Controle de Zoonoses da SES, Francisco de Assis Azevedo, explicou que o treinamento vai capacitar técnicos dos municípios das áreas endêmicas no diagnóstico da Leishmaniose Visceral Canina, permitindo maior cobertura no controle da doença e na brevidade dos resultados, por se tratar de um teste confiável, rápido, simples e de fácil execução. “Essas capacitações são realizadas nas sedes das Gerências Regionais de Saúde, sendo convidados todos os municípios, contemplando os apoiadores e técnicos da Vigilância Ambiental dos municípios”, ressaltou.

Assis explicou que no treinamento serão utilizadas aulas teóricas e práticas (manhã, aula teórica e a tarde a aula prática) onde cada treinando terá oportunidade de realizar, analisar e emitir o parecer do resultado. Os treinandos são acompanhados por instrutores durante todo o processo técnico. Ao final do evento acontecem as avaliações individuais através de teste de múltipla escolha onde o aprendizado será avaliado.

De acordo com o chefe do Núcleo de Controle de Zoonoses da SES, Francisco de Assis Azevedo, ano passado a Paraíba iniciou a implantação do novo método de diagnóstico rápido da Leishmaniose Visceral Canina (LVC), mais conhecida por Calazar, que permite saber, por meio de uma técnica chamada de Plataforma de Duplo Percurso (DPP), se o animal tem ou não a doença em 15 minutos. Atualmente, é usado o método Elisa que dura cerca de quatro semanas.

Ele explicou que o novo método não elimina o Elisa, que vai continuar sendo usado como método confirmatório. “Caso o DPP seja positivo, a mostra do animal será enviada para confirmação da doença por meio da técnica do Elisa”, disse.

A partir do treinamento ocorrido ano passado a Secretaria de Estado da Saúde elaborou um cronograma de atividades para capacitar todo os profissionais da área de zoonoses de todas as regionais de saúde da Paraíba sobre o novo método de diagnóstico do calazar.

Os municípios convidados a participar da capacitação para implantação do Teste Rápido para o diagnóstico da Leishmaniose Visceral Canina (LVC) em Guarabira são: Belém, Borborema, Campo de Santana, Cuitegi, Pirpirituba, Solânea, Caiçara, Duas Estradas, Lagoa de Dentro, Pilões, Piloezinhos, Riachão, Serra da Raiz e Serraria.

Sobre a doença – O calazar é uma doença causada pelo protozoário tripanossomatídeo Leishmania chagasi. É transmitida por vetores da espécie Lutzomia longipalpis e L. cruzi; mosquitos de tamanho diminuto e de cor clara, que vivem em ambientes escuros, úmidos e com acúmulo de lixo orgânico (ex: galinheiros). Suas fêmeas se alimentam de sangue, preferencialmente ao fim da tarde, para o desenvolvimento de seus ovos. Os animais com calazar apresentam sinais como emagrecimento, perda de pelos, lesões na pele e, na fase final da doença, crescimento desordenado das unhas. Já no ser humano, os principais sintomas da doença são manchas no corpo, febre, anemia, palidez acentuada e inchaço abdominal. O tratamento é de 20 dias de medicamentos e vacinas.

Dados - Em todo o Brasil, estima-se a ocorrência de cerca de 500 mil novos casos anuais de Leishmaniose Visceral Humana (LVH) e, entre os anos de 2000 e 2010, foram relatados 38.173 novos casos de LVH pelo Ministério da Saúde. Programa estabelecidos pelo MS preconizam como uma das medidas de controle para transmissão de (LV) a eutanásia de cães infectados, identificados através de teste sorológico. Este procedimento tem provado ser uma importante etapa do controle empregado no Brasil, visando prevenir a infecção do vetor e, consequentemente a transmissão do parasita ao homem.