João Pessoa
Feed de Notícias

Saúde divulga boletim da dengue e intensifica ações contra mosquito

quarta-feira, 24 de abril de 2013 - 11:40 - Fotos: 

De janeiro até 20 de abril deste ano, foram notificados 2.840 casos de dengue, de acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Destes, 2.652 são de dengue clássica, 23 de dengue com complicações, 6 casos de febre hemorrágica da dengue, 2 de síndrome do choque da dengue e 157 casos já descartados.

Quanto ao número de óbitos, quatro foram confirmados (um em João Pessoa; um em Arara; um em Salgado de São Félix e outro em Alhandra). Cinco óbitos estão em investigação nos municípios de João Pessoa, Santa Rita, Conde, Alagoa Grande e outro em Mari. Um óbito já foi descartado em João Pessoa.

Ainda segundo dados da SES, os municípios com alta taxa de incidência da dengue e que apresentam risco de infestação, com o Índice de Infestação Predial (IIP) maior que 3,9% são Conde, Jacaraú, Mataraca, Araçagi, Araruna, Belém, Casserengue, Mulungu, Solânea, Areia, Serra Branca, Maturéia, São Mamede, Nova Olinda e Sousa.

Os municípios que apresentam IIP entre 1% e 3,9%, ou seja, que apresentam médio risco e estão e em alerta são Cabedelo, Itapororoca, Alagoinha, Bananeiras, Cacimba de Dentro, Caiçara, Campo de Santana, Cuitegi, Dona Inês, Duas Estradas, Guarabira, Lagoa de Dentro, Pirpirituba, Riachão, Serra da Raiz, Sertãozinho, Campina Grande, Taperoá, Sumé, Piancó, São João do Rio do Peixe, Marizópolis, Pombal, Santa Cruz e São José da Lagoa Tapada.

Além desses, os municípios de Borborema, Logradouro, Pilões, Pilõezinhos, Serraria, Montadas e Sossego apresentam o IIP menor que 1%, ou seja, um estado satisfatório.

SES intensifica ações – De acordo com a gerente operacional de Vigilância Epidemiológica da SES, Bernadete Moreira, a Secretaria está desenvolvendo diversas ações no sentido de combater a dengue. “A qualificação no Manejo Clínico da Dengue com Classificação de Risco está sendo realizada nas quatro Macrorregiões do estado, para médicos e enfermeiros da rede assistencial. Durante os meses de fevereiro e março, tivemos mais de 500 profissionais qualificados e que estão repassando essas informações nos municípios e nos demais espaços assistenciais”, conta.

Ainda segundo Bernadete, nesta quarta-feira (24), será realizada mais uma qualificação para 100 profissionais da Rede de Atenção Básica e Hospitalar, UPAs e SAMU. Além dessas ações, a SES continua incentivando a mobilização social, com ações como a realização de atividades educativas nas escolas, universidades, ONGs, secretarias municipais, igrejas, emissoras de rádio e TV, entre outros.

Em toda Paraíba, 150 municípios tiveram os profissionais treinados para realizar o monitoramento do Levantamento Rápido de Índices do Aedes aegypti (LIRAa) e Sistema do Programa Nacional de Controle da Dengue das Gerências Regionais de Saúde. Um novo treinamento foi realizado com a 5ª e 10ª GRS. Além disso, os municípios de Itapororoca, Barra de Santa Rosa, Damião, Cuité, Arara, Aroeiras, Pocinhos, Sousa e Santa Cruz já estão realizando ciclos de fumacê.

Segundo a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares, é importante alertar os municípios sobre a notificação dos casos suspeitos de dengue. “Deve-se comunicar em até 24 horas a notificação de casos suspeitos das formas graves de dengue ou óbitos à Secretaria Estadual de Saúde e incluir no Sinan em até sete dias. Além disso, é importante repassar, da forma mais ágil possível, os casos por local de residência ou de infecção para subsidiar o direcionamento das atividades de controle de vetor do município nas áreas de maior ocorrência de casos. Óbitos suspeitos da doença devem ser investigados imediatamente pela equipe composta por vigilância e assistência, usando o protocolo de investigação padronizado pelo Ministério da Saúde, para a confirmação ou descarte e identificação e correção dos fatores determinantes”, disse.

Quanto à assistência, ela ressaltou que todas as pessoas com suspeita de dengue devem ser acolhidas e atendidas, independentemente de pertencer ou não à área de abrangência. Para que este atendimento seja feito de forma adequada, todos os médicos e enfermeiros da unidade devem estar capacitados para o manejo e classificação de risco e a unidade deve seguir os fluxogramas de acolhimento da pessoa com suspeita de dengue.

“No que diz respeito à atenção básica, é importante acompanhar os pacientes atendidos na própria unidade ou os pacientes do grupo I que foram atendidos nos serviços hospitalares e contra-referenciados para as Unidades Básicas através de visitas domiciliares diárias pelos componentes da equipe de Saúde da Família até o sétimo dia após o início dos sintomas”, observou.