João Pessoa
Feed de Notícias

Saúde capacita laboratoristas para detectar o câncer do colo do útero

sexta-feira, 27 de novembro de 2009 - 19:02 - Fotos: 

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que no próximo ano, haverá 18.430 novos casos de câncer de colo de útero no Brasil, com risco estimado de 18 casos para cada 100 mil mulheres. Na Paraíba, são esperados 300 novos casos da doença. A prevenção mais eficaz é a realização do exame citopatológico e o assunto foi tema da ‘Atualização em Citopatologia Ginecológica’, realizada pelo Centro Especializado de Diagnóstico do Câncer da Secretaria de Estado da Saúde (CDC-SES), em parceria com a Sociedade Brasileira de Citopatologia – Capítulo Paraíba. O evento científico ocorreu na manhã desta sexta-feira (27), no auditório do Conselho Regional de Medicina (CRM), em João Pessoa.

A palestra foi ministrada pela citopatologista e membro da Academia Internacional de Citopatologia, Raymunda Maranhão, a representantes de 15 laboratórios privados conveniados com o SUS e cinco laboratórios públicos. O objetivo é melhorar a leitura dos exames pelos profissionais que atuam nessas unidades. Segundo ela, as mulheres têm 100% de chance de não ter câncer de colo uterino se tomarem as medidas preventivas. A recomendação do Inca é que o exame preventivo seja feito uma vez por ano, após a primeira relação sexual. “Após dois exames negativos consecutivos, o citopatológico (ou papanicolau) deve ser realizado a cada três anos, conforme orientação do Inca”, disse Raymunda.

         Estímulo – Mas, segundo a citopatologista, para realizar o exame e adotar outras formas de cuidado com a doença, as mulheres precisam ser estimuladas através da realização periódica de campanhas e divulgação dos serviços disponíveis. “Hoje os países desenvolvidos tem uma taxa baixíssima de incidência (6 para cada 100 mil habitantes). No Brasil, essa taxa varia de região e é alta. A taxa mais elevada no Brasil, segundo estimativas do Inca de 2006 é em Belém-PA com 29 casos para cada 100 mil habitantes”, afirmou, lembrando que o exame é simples e barato e reduz a incidência em até 80% nas mulheres.

A diretora geral do CDC, Wanúzia Keila de Miranda, disse que além de melhorar a capacidade técnica dos profissionais que realizam a coleta e leitura dos exames, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) tem a meta de estimular os municípios a realizarem as campanhas preventivas a partir do próximo ano, pelo menos uma vez por ano, para evitar o câncer de colo de útero e continuar capacitando estes mesmos profissionais. “Este ano foram treinados 100 profissionais”, informou.

Prevenção – A chefe do Núcleo Especializado de Apoio ao Diagnóstico do Câncer (NEADC-SES), Débora Cavalcanti, parabenizou o interesse dos profissionais que participaram do treinamento, destacando a importância da prevenção, através do exame.

“O governo tem se preocupado com a incidência de todos os cânceres na Paraíba. No caso particular do câncer de colo de útero – que, diferente de outros, é 100% evitável – o trabalho de prevenção faz parte das atribuições dos municípios, mas o Governo do Estado, através do Programa Praça da Gente, tem levado a informação e orientação às mulheres dos municípios nos quais tem passado. O câncer de colo de útero já chegou a ser o mais comum entre as mulheres. Hoje é o segundo, atrás do de mama, e isso mostra que tem havido uma conscientização. Temos diagnosticado outros tipos de câncer durante a ação”, lembrou.
         A doença – O Inca revela que o câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o câncer são descobertas facilmente no exame preventivo (Papanicolau).

Por isso, é importante a sua realização periódica. A principal alteração que pode levar a esse tipo de câncer é a infecção pelo papilomavírus humano, o HPV, com alguns subtipos de alto risco e relacionados a tumores malignos. A ‘Atualização em Citopatologia Ginecológica’ contou com a participação do presidente da Sociedade Brasileira de Citopatologia, Capítulo Paraíba, Álamo Moura.

 
Da Assessoria de Imprensa da SES