Fale Conosco

6 de março de 2015

Governo do Estado amplia faixa etária do público que recebe vacina contra HPV



De acordo com o Núcleo de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde (SES), em 2015 a faixa-etária do público que deve ser imunizado contra o vírus do Papiloma Humano (HPV) vai ser ampliada. Agora as meninas de 9 a 11 anos de idade também devem receber a vacina.

Com a ampliação da faixa etária, o Ministério da Saúde busca alcançar a cobertura vacinal de forma rápida com a administração das duas doses. Além disso, a terceira dose, cinco anos depois, funcionará como um reforço, prolongando o efeito protetor contra a doença. O Ministério da Saúde está investe R$ 360,7 milhões na aquisição de 12 milhões de doses da vacina.

Em 2014, 98.052 meninas entre 11 e 13 anos receberam a primeira dose da vacina, o que representa 99,19% de cobertura. Quanto à segunda dose, 60.237 meninas foram imunizadas, ou seja, 60,56%. A meta estipulada pelo Ministério da Saúde é de 80%.

“Ainda não atingimos a meta das meninas que tomaram a segunda dose, mas a SES já planeja com as regionais e municípios estratégias para que possamos alcançar essa população, juntamente com essa nova faixa etária que vai entrar agora, em 2015. É importante lembra que este ano nós iremos vacinar prioritariamente as meninas de 9 a 11 anos, e também aquelas de 11 a 13 anos que não receberam a segunda dose da vacina ano passado ou que irão tomar a primeira dose”, explicou o enfermeiro do Núcleo de Imunização da SES, Edson Lira.

A vacina para a nova faixa etária vai estar disponível a partir da próxima segunda-feira (9), nas escolas ou nas Unidades de Saúde da Família. “O local onde será oferecida a vacina ficará a critério de cada município, conforme orientação do Programa Nacional de Imunizações, deixamos a critério de cada município a realização da segunda dose ano passado, assim eles conseguiram ver qual a melhor estratégia. Teve município que ofereceu a primeira dose nas escolas e quando mudou para a unidade de saúde perdeu muitas meninas, então, cada município vai avaliar qual a melhor estratégia para que possamos atingir o maior número de meninas”, explicou Edson.

O objetivo da vacina contra o HPV no Brasil é evitar o câncer do colo do útero, reduzindo assim a incidência e a mortalidade pela enfermidade. A vacina é um excelente método de prevenção primária que proporciona uma maior proteção à infecção pelo HPV. Edson Lira alerta para a importância das adolescentes receberem a vacina. “É preciso alertar e sensibilizar tanto as adolescentes quanto os pais sobre a importância dessa vacinação contra o HPV para a prevenção do câncer do colo de útero futuramente. É importante que a adolescente leve o cartão de vacinação. Na aplicação da primeira dose, a adolescente receberá uma carta-lembrete da segunda dose, pois muitas não voltam e a proteção só estará completa com as três doses”, concluiu.

Vacina – É administrada por via intramuscular (injeção de apenas 0,5 ml em cada dose) e confere imunidade contra os tipos 6,11,16 e 18. Para receber a dose, a adolescente deve apresentar o cartão de vacinação com documento de identificação.

Cada uma deverá tomar três doses para completar a proteção, sendo a segunda seis meses depois e a terceira cinco anos após a primeira dose. A vacina HPV pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas do Calendário Nacional de Vacinação do PNI, sem interferências na resposta de anticorpos a qualquer uma delas.

A vacina contra o HPV apresenta eficácia de 98,8% contra o câncer de colo de útero, porém não substitui a realização do exame preventivo, o Papanicolau, nem o uso de preservativos.

HPV – É um vírus transmitido pelo contato direto com a pele ou mucosas infectadas por meio da relação sexual. Também pode ser transmitido de mãe para filho no parto. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os vírus 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de câncer de colo de útero. Aproximadamente 0,5% das mulheres contaminadas pelo vírus desenvolvem o tumor. Se houver tratamento adequado, é possível prevenir a doença em 100% dos casos.