Fale Conosco

16 de abril de 2014

Saúde alerta municípios para atualização das doses da vacina contra HPV



De acordo com dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, até agora foram vacinadas 64.426 adolescentes com idades entre 11 e 13 anos, contra o papilomavírus humano (HPV). Os números representam 65,18% da meta de vacinação no Estado, que é de 104.710 meninas nessa faixa etária. Segundo a gerente executiva da Vigilância em Saúde, da Secretaria de Estado da Saúde, SES, Talita Tavares, os números são parciais, visto que alguns municípios ainda não enviaram os dados para o Sistema.

No último dia 11, em reunião com os coordenadores de imunização de todos os municípios, foi feito um chamamento para que atualizassem o banco de dados. Aproveito para solicitar aos gestores de saúde de cada município para que alimentem o Sistema, pois, somente desta forma, teremos o número real da quantidade de meninas que ainda faltam ser vacinadas”, falou.

A vacinação contra o HPV teve início no dia 10 de março. A vacina será administrada em três doses. A primeira dose é para adolescentes com idade entre 11 a 13 anos. A segunda dose da vacina deve ser aplicada seis meses após a primeira. Já a terceira dose, que funciona como um reforço, deve ser aplicada cinco anos após a primeira. A recomendação é de que as adolescentes levem a caderneta de vacinação aos postos.

Em 2015, a vacina contra o HPV será destinada às meninas entre 9 e 11 anos e também será dividida em três etapas. A partir de 2016, a vacina passará a ser aplicada nas meninas com nove anos de idade.

As adolescentes que ainda não tomaram a primeira dose, seja nas escolas ou nas unidades de saúde, podem procurar a unidade de saúde e iniciar a vacinação.

HPV- O Papilomavírus Humano (HPV) é um vírus contagioso que pode ser transmitido com uma única exposição, por meio de contato direto com a pele ou mucosa infectada. Sua principal forma de transmissão pode ocorrer via relação sexual, como também por transmissão vertical, que acontece entre mãe e bebê durante a gravidez ou o parto.

Inicialmente sem sintomas aparentes, a infecção por HPV pode evoluir para lesões de pele e mucosas, em alguns casos também ocasiona o surgimento de verrugas genitais. Quando não tratada corretamente, essas lesões podem evoluir para um quadro de câncer genital, como o câncer de colo de útero, cuja doença tem como principais sintomas dores, corrimento ou sangramento vaginal.