João Pessoa
Feed de Notícias

SAMU será debatido em oficina de trabalho da SES

quinta-feira, 4 de março de 2010 - 08:30 - Fotos: 

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) promove nesta sexta-feira, das 8h às 17h, no Hotel Verde Green, em João Pessoa, uma oficina de trabalho para discutir a ‘regionalização da rede de urgência e emergência do Estado – Samu 192’. O objetivo da SES é ampliar o serviço, que hoje funciona em apenas cinco municípios, garantindo atendimento a 100% da população paraibana. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) é um programa que tem a finalidade de prestar socorro à população em casos de emergência.

A ideia é criar uma Central de Regulação Médica de Urgência do Samu em cada uma das quatro macrorregionais de saúde, com sedes em João Pessoa, Campina Grande, Patos e Sousa, e aumentar o número de bases descentralizadas, que são unidades fixas de suporte ao serviço, com uma estrutura menor para agilizar o atendimento. Atualmente, o Samu funciona apenas em João Pessoa (que atende também os municípios de Bayeux, Santa Rita, Cabedelo e Conde), Piancó (que atende outros 15 municípios da região), Sousa (que atende outros 16 municípios da região), Campina Grande e Patos.

Padronização do atendimento - “Nos outros locais onde não existe o serviço, quando acontece algum caso que necessita de um atendimento de emergência, os pacientes são encaminhados aos hospitais em ambulâncias que não são apropriadas para essa finalidade. Por isso, queremos começar a trabalhar nas macrorregionais, para que possamos garantir o acesso ao serviço para toda a população do Estado, com qualidade e de forma padronizada”, explicou a gerente operacional de Atenção Especializada da SES, Alana Barreto.

Cada Central de Regulação Médica do Samu é composta por uma equipe de médicos reguladores, radio-operadores e técnicos de atendimento e regulação médica. Os técnicos são responsáveis pelo primeiro contato com a pessoa que aciona o 192, encaminhando o caso para o médico avaliar e decidir para onde o paciente será conduzido e em que tipo de unidade móvel (básica ou avançada). Depois disso, o radio-operador aciona a unidade mais próxima para fazer o atendimento. 

Portarias - A oficina deverá contar com a participação de 80 pessoas, entre secretários de saúde e gerentes das 12 regionais de saúde, técnicos da SES, além de um representante de cada um dos 25 colegiados de gestão do Estado, que decidem sobre as ações a serem tomadas para garantir o acesso da população aos serviços de saúde. Os participantes vão discutir as portarias 2.970/2008, que trata da regionalização do Samu, e 1.020/2009, que dispõe sobre as unidades de pronto atendimento (UPAs).

“Essas duas portarias já estão sendo analisadas pelos membros dos colegiados de gestão, para que eles possam chegar à oficina com algumas ideias já traçadas e, dependendo do andamento das discussões, poderemos sair com algo definido no mesmo dia”, disse Alana.

Programação- A primeira palestra será às 9h, com o coordenador nacional de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde (MS), Clésio Castro, que vai falar sobre a política nacional de urgência e emergência. Em seguida, a gerente do Núcleo de Apoio aos Estados e Municípios do MS, Carla Pintas, vai apresentar a portaria 1.020. A última palestra será proferida por Alana Barreto, que vai falar sobre a situação atual da rede de urgência e emergência na Paraíba. Após as palestras, serão criados grupos de trabalho, que farão as suas apresentações no período da tarde. A plenária final está prevista para as 16h.

Ampliação do serviço - Segundo Alana, a Comissão Intergestores Bipartite (CIB) da Paraíba aprovou a implantação do Samu em Guarabira, Cajazeiras, Princesa Isabel, Patos e Monteiro, faltando apenas a liberação de recursos por parte do MS. O Estado também deverá ganhar, ainda este ano, as duas primeiras UPAs, que serão construídas em Santa Rita e João Pessoa. As UPAs – criadas para funcionar 24 horas – são estruturas de complexidade intermediária entre as unidades básicas de saúde e as portas de urgência hospitalares e compõem uma rede organizada de atenção às urgências. “O nosso objetivo é implantar uma UPA em cada uma das 12 gerências regionais de saúde”, disse Alana.

Da Assessoria de Imprensa da SES/PB