Fale Conosco

28 de setembro de 2016

Roda de Conversa: Hospital Arlinda Marques implanta canal de comunicação entre acompanhantes e a gestão



O Complexo de Pediatria Arlinda Marques, que integra a rede hospitalar do Estado, criou mais um canal de comunicação e que está servindo como espaço de aconselhamento e escuta entre acompanhantes das enfermarias da clínica médica e cirúrgica do hospital, do ambulatório e a gestão. Trata-se da “Roda de Conversa”, que acontece todas as segundas-feiras à tarde na área de convivência da clínica médica e reúne psicólogos, assistentes sociais e a Ouvidoria.

Nesses encontros, os acompanhantes dos pacientes relatam os problemas enfrentados no dia-a-dia do ambiente hospitalar e a partir daí toda a equipe que coordena o projeto se une em busca de uma solução. Enquanto o bate papo acontece com os acompanhantes, as crianças participam de atividades lúdicas e recreativas.

Para a diretora técnica do Hospital,  Fernanda Morais, a Roda de Conversa é um dispositivo de cuidado que está sendo desenvolvido por profissionais da Psicologia e Serviço Social, envolvendo acompanhantes de crianças e adolescentes internados nas enfermarias do hospital e que cria reais possibilidades de mudança  nas relações entre estes e as equipes que os assistem.

“Enquanto estratégia de acolhimento, a partir de uma escuta qualificada, contribui com uma interlocução mais efetiva entre os usuários /trabalhadores/gestores/instituições formadoras que utilizam o espaço do serviço como cenário de práticas da formação de seus alunos, e  assim contribuir  na busca da garantia  do cuidado integral e humanizado na defesa de uma vida saudável”, comentou.

Ilara Nóbrega, chefe do Núcleo de Ações Estratégicas do Arlinda Marques, explica que a Roda de Conversa tem como tema: “Compartilhando informação e socializando acesso a direitos sociais” e busca ser um espaço para acolhimento e escuta ao acompanhante de forma a promover o acesso à clientela que busca ajuda no serviço, respeitando as subjetividades, sem abrir mão de colocar os limites necessários, criando um canal entre pacientes, familiares, colaboradores e gestão.  “Acreditamos que o  acesso e acolhimento são essenciais no atendimento,  para que se possa incidir positivamente sobre o estado de saúde dos pacientes e de toda coletividade”, afirmou Ilara Nóbrega.

A coordenadora de psicologia, Maria Abigail A. T. Luna, explica que durante a “roda de conversa”  é adotada uma metodologia participativa, visando a construção de um espaço onde os acompanhantes reflitam acerca do cotidiano da hospitalização, e uma melhor adaptação à rotina hospitalar, bem como melhorar a comunicação e a interação entre usuários e equipe de saúde. “Será viabilizado nas rodas de conversa um trabalho multiprofissional e interdisciplinar objetivando enriquecimento e troca de saberes entre os profissionais de múltiplas áreas e os acompanhantes”, afirmou a psicóloga.

De acordo com Maria Janete Cavalcante, coordenadora do Serviço Social do Arlinda Marques, os  encontros contam com  a participação de profissionais e estagiários da psicologia e do serviço social. “Contamos ainda com o apoio das brinquedistas e pedagogas da brinquedoteca, como também com a participação do Grupo de Trabalho de Humanização, (GTH), além do suporte de colegas de outras áreas profissionais (nutrição, fisioterapia, enfermagem, odontologia, controle de infecção hospitalar, entre outros) visando uma integração e correspondência de saberes”, destacou.