Fale Conosco

18 de novembro de 2014

Ricardo reivindica liberação de recursos federais para obras na Paraíba



17.11.14 ricardo reuniao ministro das cidades fotos roberto guedes 12 270x202 - Ricardo reivindica liberação de recursos federais para obras na ParaíbaDurante audiência com o ministro das Cidades, Gilberto Occhi, na noite dessa segunda-feira (17), em Brasília, o governador Ricardo Coutinho solicitou a liberação de recursos federais para garantir a continuidade das obras do Viaduto do Geisel, em João Pessoa, e da revitalização do Açude de Bodocongó, em Campina Grande.

As construções do viaduto do Geisel, que está orçado em R$ 31 milhões, e do açude de Bodocongó em R$ 35 milhões, foram iniciadas com recursos do Estado e precisam das liberações dos recursos do Governo Federal como estão previstos nos convênios já assinados.

Outro pleito apresentado pelo governador foi a assinatura, ainda neste ano, do contrato de R$ 160 milhões para realizar o saneamento do município de Patos. “Essas são obras importantíssimas que precisam dos recursos federais para evitar atrasos e recebemos o compromisso do ministro em buscar acelerar as liberações”, destacou o governador.

17.11.14 ricardo reuniao ministro das cidades fotos roberto guedes 4 270x202 - Ricardo reivindica liberação de recursos federais para obras na ParaíbaAcompanhado do superintendente de Planejamento e Obras do Estado, João Azevedo, e do secretário de Estado da Comunicação Institucional, Luís Tôrres, Ricardo também discutiu a questão do financiamento das casas de Rio Tinto onde 98% dos imóveis pertencem à família Lundgren e caracteriza um caso único de cidade privada no Brasil.

De acordo com Ricardo, o Ministério das Cidades, Governo do Estado e Caixa estudam uma solução para que os moradores possam financiar os imóveis que vivem e pagam aluguel há décadas sem perspectiva de que sejam seus. “O Governo do Estado tem capacidade de financiamento e endividamento para obter empréstimos, mas precisa dos recursos federais para resolver a situação da cidade que precisa se libertar e se desenvolver”, completou Ricardo.