Fale Conosco

13 de dezembro de 2017

Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da Democracia



ricardo protocolo a comissao da verdade foto francisco franca 3 270x183 - Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da DemocraciaO governador Ricardo Coutinho recebeu, nesta quarta-feira (13), no Palácio da Redenção, o relatório final da Comissão Estadual da Verdade e da Preservação da Memória do Estado da Paraíba. A comissão visa investigar crimes de violação dos direitos humanos praticados por agentes públicos contra paraibanos, durante o período da Ditadura Militar. Na oportunidade, o governador criou uma Comissão para instalação do Memorial da Democracia, que vai abrigar toda a documentação colhida pela Comissão Estadual da Verdade.  O Memorial será instalado na Fundação Casa de José Américo, em João Pessoa.

ricardo protocolo a comissao da verdade foto francisco franca 10 270x183 - Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da DemocraciaAs informações obtidas pela Comissão Estadual da Verdade serão encaminhadas aos órgãos públicos competentes para que possam auxiliar na localização e identificação dos restos mortais de desaparecidos políticos. O livro contendo o relatório final também será disponibilizado para a rede pública de ensino e ainda pode ser visualizado pela internet na página da Comissão cev.pb.gov.br

Para Ricardo Coutinho, esse trabalho dialoga com todas as gerações e expõe lições poderosas para que a nação tenha capacidade de construir um futuro mais democrático. “O nosso grande compromisso é lembrar do momento de repressão vivido na ditadura militar e afirmar que isso é intolerável. Esperamos que o povo jamais permita que algo semelhante à ditadura aconteça novamente. Nenhuma forma de ditadura pode servir para a sociedade”, comentou.

ricardo protocolo a comissao da verdade foto francisco franca 4 270x183 - Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da DemocraciaO governador ainda lembrou que o relatório da Comissão da Verdade foi entregue numa data marcante para o Brasil, já que em 13 de dezembro de 1968 foi estabelecido o Ato Institucional nº 5 (AI-5), se caracterizando como um dos momentos mais duros do regime militar. “Há 49 anos, houve o AI-5, ato institucional que fechou inclusive o Congresso e mudou para pior o país, porque não se faz nada do ponto de vista de uma nação na base da tortura, da violência e da repressão”, pontuou.

De acordo com o presidente da Comissão Estadual da Verdade e da Preservação da Memória do Estado da Paraíba, Paulo Giovani, testemunhos de 69 vítimas da repressão política do regime militar serviram de acervo para o material. Segundo a pesquisa, em torno de 125 paraibanos foram torturados na Paraíba ou quando estavam em outros estados, na época da ditadura e 93 mulheres estão na lista de vítimas do regime militar. “Conseguimos formar um grande acervo documental sobre este período da história e vai ficar disponível para pesquisadores e para o conhecimento da sociedade”, falou.

ricardo protocolo a comissao da verdade foto francisco franca 11 270x183 - Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da DemocraciaDurante a solenidade, os integrantes da Comissão receberam placas em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido por mais de quatro anos. “Sinto como se o nosso dever estivesse cumprido e é uma satisfação muito grande. Com esta pesquisa, a sociedade pode saber tudo o que aconteceu com paraibanos na ditadura militar. Que não voltem a acontecer as violações de direitos humanos daquela época, ditadura nunca mais”, concluiu a integrante da Comissão, Iranice Muniz.

ricardo protocolo a comissao da verdade foto francisco franca 1 270x183 - Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da DemocraciaA Comissão da Verdade apontou que 14 paraibanos morreram ou desapareceram durante a ditadura militar na Paraíba, entre eles, Pedro Inácio, mais conhecido como Pedro Fazendeiro. “Desde jovem, meu pai atuava nas causas dos menos favorecidos e lutava pelos direitos dos agricultores. Ele foi fundador de várias Ligas Camponesas, foi perseguido, preso e assassinado em 1964, no regime militar. O corpo do meu pai ficou desaparecido por bastante tempo e só depois foi reconhecido. Era um tempo de muito sofrimento”, contou a filha de Pedro Fazendeiro, Neide Araújo.

ricardo protocolo a comissao da verdade foto francisco franca 7 270x183 - Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da DemocraciaO ex-presidente do Sindicato dos Bancários, João Fragoso, também foi vítima da ditadura militar. “Na época, eu fiz um manifesto contra o AI-5, que violava os direitos constitucionais do povo brasileiro. Isso desagradou às autoridades da ditadura, por isso me prenderam e fui demitido do sindicato. Hoje é um dia de importante, porque fica comprovado que o povo brasileiro é capaz de restabelecer a democracia”, comentou.

ricardo protocolo a comissao da verdade foto francisco franca 9 270x183 - Ricardo recebe relatório final da Comissão da Verdade e cria comissão para instalação do Memorial da DemocraciaA viúva de João Pedro Teixeira, Elizabeth Teixeira, também participou da solenidade e parabenizou a Comissão por restaurar a memória de todos os paraibanos que foram perseguidos na época do regime militar. Ela lembrou que João Pedro Teixeira foi um grande líder das Ligas Camponesas e por isso sofreu muita perseguição. “Após o assassinato do meu marido, eu passei por momentos difíceis e também fui ameaçada. Mas continuamos com a luta”, ressaltou.