Fale Conosco

13 de fevereiro de 2013

Ricardo lança Programa que vai beneficiar 20 mil produtores rurais



O governador Ricardo Coutinho vai lançar, nesta sexta-feira (15), às 10h, no Parque de Exposições de Campina Grande, o Programa Palma Resistente, cujo objetivo é combater a praga da cochonilha do carmim, que nos últimos anos tem dizimado a produção da palma forrageira na Paraíba. Durante a solenidade, serão distribuídas 200 mil raquetes de palma resistente à praga de um total de 4,5 milhões que serão entregues na primeira etapa do programa. Serão beneficiados 20 mil produtores rurais.

Além das raquetes, a Sedap fará a entrega simbólica de um caminhão adquirido para suprir as necessidades do programa. O Gabinete da Palma e a Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária (Emepa) orientarão os agricultores por meio de minicursos e apresentações sobre o manejo correto de plantio da palma, a fim de que a cultura resistente atenda plenamente as necessidades  do produtor.

O programa “Palma Resistente” é um conjunto de projetos – alguns de ação imediata e outros estruturantes –  que pretende sanar o problema da praga da cochonilha no Estado com a distribuição e multiplicação de variedades de palma resistente. “O programa atua na ajuda emergencial ao produtor que sofre com essa severa estiagem, mas também se direciona para uma prática estruturante da garantia da palma resistente no futuro”, enfatizou o secretário de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, Marenilson Batista,

Inicialmente, o programa conta com dois projetos. A primeira grande ação será a execução do projeto de fomento e distribuição de 4,5 milhões de raquetes de palma resistente, que foi elaborado pela Sedap em parceria com a Emepa. A intenção é que cada agricultor de todas as regiões do Estado receba 1000 raquetes de palma resistente. “Essa primeira ação do programa é uma resposta imediata às necessidades do agricultor que sofre com essa estiagem. O agricultor sabe a importância dessa palma nesse período difícil de seca”, comentou Marenilson Batista.

As solicitações de palma feitas pelas prefeituras e sindicatos estão sendo cruzadas por funcionários da Sedap e da Empresa Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), para que cada agricultor receba a quantidade necessária de raquetes. Nesta primeira ação serão distribuídas as variedades Palmepa PB1 e PB3, que foram desenvolvidas pela própria Emepa. “A eficácia desse programa está associada ao trabalho conjunto das empresas vinculadas à secretaria. A Sedap propôs os projetos, a Emepa desenvolveu as variedades e a Emater irá prestar assistência técnica para que o agricultor utilize de maneira correta a palma”, adiantou o secretário.

Ação estruturante – No segundo semestre do ano, entrará em execução um segundo projeto – este de maior escala, com caráter estruturante – que atenderá 20 mil produtores do Estado. Desenvolvida em parceria com o Gabinete de Palma, a ação visa à revitalização e tecnificação da cultura da palma no Estado, munindo cada agricultor com 10.000 mil raquetes de palma, um kit de irrigação, ferramentas e insumo, para a viabilização de 83 pontos de multiplicação da cultura resistente.

A estimativa é que, em 12 meses, os campos de multiplicação gerarão cerca de 13 milhões de raquetes de palma resistente das variedades Miúda, Orelha de elefante mexicana e Baiana. Marenilson Batista observou que a entrega das raquetes e dos materiais específicos para a multiplicação geram a situação ideal para uma política pública eficaz. “Esse segundo projeto é estruturante, autossustentável e inovador. Iremos entregar as raquetes, os kits de irrigação desenvolvidos pela própria Emepa, as ferramentas e os insumos, e ainda a assistência técnica da Emater. Ou seja, daremos todas as condições para que os próprios produtores consigam multiplicar seu plantio de palma, para que em breve o Estado esteja livre da praga da cochonilha”, explicou.

O programa Palma Resistente, que com esses dois projetos iniciais contabilizam um investimento de cerca de R$ 3,5 milhões, oriundos do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza do Estado da Paraíba (Funcep), conta com a parceria de instituições como a Emepa, Emater, Insa, Gabinete da Palma, Sebrae e Faepa/Senar.

Outras ações – O secretário Marenilson Batista lembrou que a distribuição de palma resistente à praga da cochonilha do carmim já vinha sendo feita nesse período de estiagem. “Antes do lançamento do programa, o Governo do Estado já havia distribuído 500 mil raquetes e 200 mil mudas da variedade PB1, resistente à cochonilha”, comentou o secretário.

Outras ações de caráter emergencial também já estão sendo executadas para ajudar o agricultor familiar, como por exemplo a distribuição inicial de 19 mil toneladas de ração animal e mais uma remessa de 10 mil toneladas, que já estão sendo entregues aos produtores nas regiões mais afetadas pela estiagem.

Também estão sendo ofertadas mais de 3 mil toneladas de ração animal com preço subsidiado, beneficiando cerca de 7 mil agricultores, por meio do Programa Estadual de Ração Animal, em parceria com a Empresa Estadual de Abastecimento (Empasa). A saca com 50 kg de torta de algodão é vendida a R$ 30,00 e a de farelo de soja custa R$ 40,00. A silagem de milho e sorgo é repassada a R$ 0,30 o quilo.

Na última safra, 86.366 agricultores em 171 municípios aderiram ao programa Garantia Safra, recebendo o benefício de R$ 760,00 como seguro pela perda da produção por efeitos da estiagem. Além disso, o auxílio emergencial do programa Bolsa Estiagem contemplou 80.965 agricultores dos 195 municípios em estado de emergência. Na safra atual, 97 mil agricultores já aderiram ao programa.