João Pessoa
Feed de Notícias

Plano cria call center para atender gestantes e ações de combate ao Aedes

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015 - 21:36 - Fotos:  José Marques/Secom-PB

A criação de uma Sala de Situação Estadual, do aplicativo ‘Aedes na mira’ e instalação de call center são as principais ações contidas no Plano Estadual de Combate ao Aedes Aegypti, que foi lançado pelo governador Ricardo Coutinho, na tarde desta quarta-feira (16), na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, no Espaço Cultural. O ato contou com a presença do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Antônio Nardi, da secretária de Estado da Saúde, Roberta Abath, do secretário de saúde do Rio Grande do Norte, José Ricardo Lagreca, do arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, além de auxiliares do Governo do Estado.

Na oportunidade, o governador Ricardo Coutinho falou sobre a importância da mobilização social no combate ao mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus. “Jamais conseguiremos erradicar o Aedes sem que haja uma mobilização social, todos unidos nessa luta. É preciso que a gente compreenda isso. É preciso que a nossa forma de abordagem para com as pessoas seja percebida. A responsabilidade da erradicação não é só do poder público, é preciso que todos façam a sua parte, pois 80% dos focos do mosquito estão em residências. Vamos olhar para dentro das nossas casas! É a partir desse cuidado que vamos começar a vencer a batalha contra o mosquito aedes aegypti”, apelou.

Sala de Situação – O evento teve início com a apresentação do plano pela secretária Roberta Abath, que destacou os cinco eixos que o compõem, ressaltando a importância de três ações: a Sala de Situação Estadual, o aplicativo ‘Aedes na mira’ e o call center. A Sala de Situação Estadual está montada provisoriamente na Secretaria de Estado da Saúde e será o local para onde a população deverá ligar para informar os focos de mosquito que forem identificados, assim como tirar dúvidas.

“A sala onde teremos integrantes do Exército Brasileiro, da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil Estadual, e Vigilância Ambiental, está ligada com a sala de Gerenciamento de Crise Nacional, em Brasília, e estará fornecendo todos os dados, para que possamos olhar e traçar um planejamento em nível nacional, em cima da situação epidemiológica”, explicou.

Aedes na mira – O aplicativo para celulares da plataforma Android ‘Aedes na mira’ foi desenvolvido pela Codata-PB, com o objetivo de agilizar o combate ao mosquito Aedes de uma maneira mais efetiva. “A preocupação do governador Ricardo Coutinho era viabilizar uma forma mais fácil e rápida de chegar até os cidadãos”, explicou Roberta Abath.

No aplicativo, a população poderá fazer uma denúncia com fotos de um foco de dengue. No momento que o cidadão envia a foto, ela será georeferenciada, ou seja, vai mostrar no mapa o lugar onde foi feita a imagem, que será enviada para o banco de dados do estado. Além disso, o aplicativo oferece também informações sobre os cuidados para evitar focos do mosquito, informações para gestantes e sobre o serviço de referência mais próximo.

Call center – Já o call center foi desenvolvido para que os atendentes possam ter um contato mais fácil com as gestantes. “Nós vamos atrás, fazer a busca ativa dessas gestantes, saber como está sendo a gestação, se está realizando o pré-natal. Vamos cuidar e acolher as nossas gestantes”, explicou Roberta Abath. O call center é realizado em cima de uma plataforma da web e será replicada para que as gestantes também possam fazer o contato. “É imprescindível cuidarmos bem das nossas gestantes, e um pré-natal bem feito é de suma importância para a saúde da mãe e do bebê”, disse Roberta.

O secretário nacional de Vigilância em Saúde, Antônio Nardi, parabenizou o Governo da Paraíba pelo plano. “Posso afirmar que estou muito feliz, pois vejo aqui um plano absolutamente completo, que realmente pode sim mudar essa triste realidade da proliferação do Aedes. É preciso que todos estejamos unidos nessa luta, pois não conseguiremos vencer o mosquito sozinhos, precisamos nos dar as mãos, pois a luta será longa, porém sairemos vitoriosos”, disse.

Para o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, José Ricardo Lagreca, o plano de combate ao mosquito na Paraíba é concreto e servirá de inspiração para o que será desenvolvido pelo seu estado. “Posso afirmar que estou completamente satisfeito com o que vi hoje. Estarei levando para meu estado essa inspiração. Aqui vi dados da maior relevância, que poderemos acrescentar no nosso próprio plano. O enriquecimento que estou levando de tudo que vi hoje é incomensurável”, ressaltou José Lagreca.

Plano – O Plano será coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) e desenvolvido em todo estado em parceria com as Secretarias de Estado e municipais de diversas pastas e é centrado em cinco eixos. “O Plano consta de cinco eixos que vão trabalhar o controle vetorial como principal peça na prevenção das doenças, a vigilância epidemiológica, a parte da assistência ao paciente, mobilização, gestão e comunicação. No outro ponto, que é a iniciação científica, faremos um trabalho de apoio com a população junto às universidades e instituições de ensino superior da Paraíba, para que sejam desenvolvidas e estimuladas a pesquisa nessa área. É importante lembrar que a população precisa se envolver na eliminação dos criadouros. O mosquito Aedes aegypti pode matar, e por isso ele não pode nascer”, explicou a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Renata Nóbrega.

Eixos – Os eixos do Plano de Combate ao Aedes aegypti  são:

1º eixo – Controle Vetorial: Considerada a principal ação para prevenir os registros das doenças transmitidas pelo mosquito, com diversas ações de vigilância, entre elas, o fumacê e a qualificação de agentes comunitários de endemias (ACE), além da participação do Exército Brasileiro, que foi acionado para reforçar o contingente operacional nas ações de combate ao Aedes aegypti;

2º eixo – Assistência ao paciente com suspeita de dengue, chikungunya, zika vírus e dos outros agravos associados (Síndrome de Guillain Barré, microcefalia): Serão promovidas qualificações dos profissionais de saúde de todas as quatro macrorregiões do estado.

3º eixo – Vigilância Epidemiológica: Prevê o monitoramento das investigações dos casos suspeitos de microcefalia e síndrome de Guillain Barré e das notificações de dengue, chikungunya e zika vírus. O Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen-PB) auxiliará nos diagnósticos.

4º eixo – Gestão: Responsável pelas promoções de campanhas publicitárias e de reuniões com os secretários municipais em parceria com o Ministério Público e também do comitê da dengue; comunicação e mobilização social.

5º eixo – Pesquisa: Em parceria com instituições de ensino e pesquisa com o incentivo a pesquisas científicas relacionadas às doenças transmitidas pelo Aedes e possíveis associações,  como a Microcefalia e Síndrome de Guillain Barré.