João Pessoa
Feed de Notícias

Ricardo destaca papel da categoria no apoio à agricultura familiar

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013 - 18:21 - Fotos:  José Marques / Secom-PB

A extensão rural tem um papel importante no processo de fortalecimento da agricultura familiar, gerando oportunidades de renda e melhoria na condição de vida daqueles que residem no campo”. A declaração foi feita pelo governador Ricardo Coutinho, durante a solenidade comemorativa do Dia Nacional do Extensionista Rural, nesta sexta-feira (6), na sede da Emater Paraíba, na estrada de Cabedelo. A ato contou com a participação de servidores, agricultores e autoridades convidadas.

Em seu pronunciamento, Ricardo ressaltou que o extensionista rural executa um dos trabalhos mais afetuosos, que é a assistência técnica, sem a qual a agricultura familiar não seria tão forte em todo o país e também na Paraíba. Lembrou da força de trabalho da Emater, que conta com 503 extensionistas atuando em todo estado, atendendo aos agricultores familiares, levando conhecimentos para que milhares de famílias do campo possam viver mais e melhor.

Segundo o governador, o sucesso da inclusão social no campo, necessariamente, passa pela extensão rural e, no caso da Paraíba, registra-se um substancial crescimento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), passando de R$ 1,2 milhão para mais de R$ 4 milhões.

O secretário do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, Marenilson Batista da Silva, falando sobre a data, disse que o mais importante é que na Paraíba tem a Emater que contribui para o fortalecimento da agricultura familiar fazendo inclusão produtiva e social. “Os extensionistas têm papel de destaque no assessoramento das famílias para a transição agroecológica, para implantação de práticas de convivência com o semiárido, na orientação ao acesso aos mercados fortalecendo as dinâmicas de comercialização, para ampliação e qualificação do acesso ao crédito, fomento, financiamento e seguro rural, para a segurança alimentar e nutricional das famílias e também animando os processos de organização social das comunidades”, comentou.

O presidente da Emater, Geovanni Medeiros, por sua vez, fez um balanço das ações da Emater nos últimos três anos, destacando os avanços em programas como Brasil Sem Miséria, no Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e lembrou a realização das Jornadas de Inclusão Social que têm permitido o acesso às políticas públicas.

Ele informou que nos últimos três anos, na seguridade agrícolas foram beneficiadas 313 mil famílias, inscritas por meio da Emater em programas como Garantia Safra e Bolsa Estiagem. Essas ações possibilitaram injetar R$ 267 milhões na economia do estado. “Mesmo em cenário de seca, a Emater elaborou e contratou 8.735 projetos, investindo na economia paraibana cerca de R$ 82 milhões”, disse.

Geovanni lembrou, ainda, que, segundo dados do IBGE, as famílias com acesso aos serviços de assistência técnica e extensão rural têm renda três vezes maior do que uma que não tem nenhum desse tipo de serviço. “Este é o caminho mais rápido e eficiente para reduzir a pobreza no campo e grande parte das desigualdades sociais ainda persistentes em nosso pais, e sobretudo, no meio rural”, completou.

A delegada do Ministério do Desenvolvimento Agrário na Paraíba, Giucélia Figueiredo, disse que as ações da extensão rural têm feito com que a Emater Paraíba seja referência em todo o país. “Sem a Emater não existe agricultura familiar na Paraíba”, disse.

A população rural da Paraíba representa 24,6% dos seus habitantes, conforme o Censo de 2010, para a qual a Emater volta sua ação de assessoramento técnico de base da agricultura familiar. Há 58 anos, os extensionistas atuam com a finalidade de reduzir as desigualdades sociais, constroem novos conhecimentos junto à agricultura familiar para melhorar a produtividade, a produção agropecuária e a qualidade de vida no campo.

O Dia Nacional do Extensionista foi criado em 2011, mas o serviço de extensão rural começou na Paraíba em 1955, com a abertura de quatro escritórios nos municípios de Guarabira, Alagoa Grande, Caiçara e Serraria, à época subordinados ao escritório regional da Acar, com sede em Recife.  Foi no ano de 1959 que conquistou autonomia passando a se chamar Associação Nordestina de Crédito e Assistência Rural (Ancar).

Já nessa época o público alvo era a família rural, para a qual os técnicos levavam conhecimentos agropecuários e ensinamentos de bem estar com uma programação de economia doméstica, saúde, alimentação, educação. Já em  1964, a Ancar estava com 18 escritórios em municípios estratégicos, três escritórios regionais e um estadual que coordenava os trabalhos, localizado na cidade de João Pessoa.

No ano de 1975, uma lei estadual transformou a associação em empresa pública, como o nome de Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater Paraíba), hoje vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, com o trabalho de assessoramento atendendo agricultores familiares em todo estado, por meio de mais de 200 unidades operativas, quinze escritórios regionais e um estadual, com 794 em servidores nas diversas áreas de conhecimentos, que atendem amais de 184 famílias rurais.

O extensionista rural é um educador informal. Sua sala de aula é no campo, nas comunidades rurais, nas plantações e criações, nas periferias das pequenas e grandes cidades, junto aos agricultores familiares, pescadores artesanais, indígenas, quilombolas, suas associações e sindicatos”, afirmou o engenheiro agrônomo Henri Wallece Maciel que a mais de trinta anos atual nessa a área.

Quem também falou sobre a atividade da extensão rural foi Ednete Freire Cirilo Nascimento, extensionista social com mais de 30 anos de experiências e vivência com as famílias agricultoras, ajudando a aumentar renda e a produção. “O extensionista é uma pessoa solidária, amiga, conselheira, sabe ouvir, orientar, é parceiro. Orienta, sobretudo, na participação associativa para conseguir as mudanças em sua vida”, afirmou.

Premiação – Durante o evento, foram condecorados profissionais da Emater em virtude do tempo de serviço prestados à instituição, com “boton comemorativo” com até 10 anos, de 11 a 20 anos, de 21 a 30 anos. Também foram entregues comendas “in memorian” a profissionais. Ainda foi reinaugurado o estúdio de rádio onde serão produzidos programas com conteúdos voltados para a educação no campo, além de promover a divulgação das ações e programas da agricultura familiar.

Os servidores que se destacaram com ações no desenvolvimento rural sustentável em todo estado, que receberam o Prêmio Paraíba Terra Forte, foram José Roberto Matias de Carvalho, Tomé da Guerra Filho, Arlene Magna dos Santos Machado, Maria Aparecida de Lima, José Marques Furtado, Laurita Araujo, Márcia Maria Maciel de Lacerda e Maria da Conceição Ramos Dantas, Cassiano Vilar Barreto, Geogles Dantas da Rocha, Aldenor Tomaz de Aquino, Antonio Esdras Gonzaga Filgueira, Kelly dos Santos Crispim, Aldo César Abrantes Barbosa, Ernane Félix de Pontes, Francisco Ferreira da Silva e Francisco de Almeida Neto.

Também foram entregues nove veículos tipo Pick Up, objeto de convênio estabelecido junto ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), que representam um investimento da ordem de R$ 363.600,00. E foi feita a assinatura de termos de cooperação institucional entre a Emater Paraíba, MDA/MDS, que beneficiam 1.301 famílias. Os extensionistas rurais receberam 66 microcomputadores, 99 aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) que vão contribuir para o trabalho dos extensionistas rurais junto aos agricultores familiares.

Estiveram presentes à solenidade do Dia Nacional do Extensionista, o vice-governador Rômulo Gouveia; os deputados Edmilson Soares e João Gonçalves; a secretária de Finanças, Aracilba Rocha; o presidente da Famup, Buba Germano; o presidente da Fetag, Liberalino Ferreira; os diretores da Emater, Erasmo Lucena e Francionildo de Araujo (Peninha), entre outros.