João Pessoa
Feed de Notícias

Ricardo busca meio legal para desapropriar área e instalar Memorial João Pedro Teixeira

segunda-feira, 4 de abril de 2011 - 09:08 - Fotos: 

O governador Ricardo Coutinho determinou à sua assessoria jurídica a realização de um estudo para verificar a possibilidade legal de o Estado desapropriar a área em que está localizada a casa onde morou o líder camponês João Pedro Teixeira, no povoado Barra das Antas (região do município de Sapé/PB). O objetivo é viabilizar a instalação do Memorial João Pedro Teixeira, órgão de grande importância para o fortalecimento da luta pela reforma agrária no Estado da Paraíba.

“Se o Estado, legalmente, puder desapropriar esses quatro hectares aqui, o Estado vai desapropriar, porque é muito importante para a história da luta dos trabalhadores a constituição e fortalecimento desse memorial, não só em função do passado, mas também em função do futuro”, ressaltou Ricardo no final da tarde de sábado (2) no terraço da própria casa onde o memorial deverá ser instalado. Ele informou também que no próximo dia 30 de abril, e atendendo um pedido seu, o Conselho do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep) vai se reunir para discutir exatamente o processo de tombamento da casa.

“Não se constrói o futuro esquecendo o passado. Há muitas pessoas de gerações mais jovens que desconhecem todo o esforço de uma geração anterior para poder construir as liberdades da democracia. Tem muita gente que talvez não dê o devido respeito ao campo porque não perceba ou não saiba a história que envolve tantas pessoas; a saga de tantas famílias, dentre as quais a família de Elizabeth e João Pedro Teixeira, que sofreram, e muito, ao longo desses anos todos, dentro do nosso país, o impacto de uma ditadura que as forças repressivas do latifúndio fizeram”, ressaltou.

Falando para uma média de 300 camponeses que participaram das homenagens à memória de João Pedro Teixeira, iniciada com uma caminhada pelos três quilômetros que separam o local do assassinato do líder camponês, em frente à Escola Municipal Cândida Emília (localizada no município de Sobrado, às margens da rodovia PB-073 – “Rodovia João Pedro Teixeira”) e o povoado “Barra de Antas”, em Sapé, o governador observou que pela primeira vez na sua história contemporânea a Paraíba vive um momento em que a gestão estadual é puxada por alguém que saiu das bases e da militância populares.

“É importante que essa gestão possa realmente, não só lembrar, como também construir caminhos para que essa grande parte da população faça um outro tipo de movimento; tenha um outro tipo de avanço. É por isso que eu estou aqui, não só por ser militante, mas também por isso”, afirmou, salientando que “o Estado tem interesse de estar presente no centro dos impasses, das discussões da democracia real, porque é importante que ele esteja”. Dentre essas discussões, o governador citou a questão do acesso à terra, e comentou: “Os resultados da política de democratização do acesso à terra não avançaram tanto quanto os movimentos avançaram ao longo dos últimos 20, 30 anos”.

Para Ricardo Coutinho, a democratização da terra não pode existir simplesmente por si só, porque não é apenas a terra que vai fazer com que as pessoas possam ter uma qualidade de vida melhor. É fundamental que essa terra produza, e que haja escoamento da produção, e também que haja mercado para consumir essa produção.

Homenagens – A presença do governador Ricardo Coutinho no povoado Barra das Antas foi motivada pelas atividades de homenagem à memória do líder camponês João Pedro Teixeira, que há 49 anos (no dia 2 de abril de 1962) foi assassinado quando retornava para sua casa. O evento foi organizado pela Ong Memorial das Ligas Camponesas, com o apoio de representantes de movimentos sociais e da Prefeitura Municipal de Sapé, com o objetivo de resgatar a história das Ligas Camponesas e instituir em Sapé o Memorial João Pedro Teixeira.

“No momento da emboscada, ele conduzia nas mãos uma arma muito especial: cadernos para o estudo dos seus filhos”, conforme lembrou o escritor, advogado e ex-deputado Agassiz de Almeida (deputado constituinte de 1988), responsável, à época do assassinato de João Pedro, quando exercia o mandato de deputado estadual, pelo pedido de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar, identificar e apontar os responsáveis pelo crime.

“No dia 2 de abril de 1962 um tiro ecoou nos canaviais e um homem caiu morto. João Pedro Teixeira morreu, mas o seu sonho ficou e se perpetuou pela história, não somente da Paraíba, mas de todo o País”, lembrou o ex-deputado, que também teve seu mandato parlamentar cassado pela ditadura militar, acrescentando que “o latifúndio venenoso e cruel arrancou vidas, mas não matou o sonho e a coragem dos homens que lutaram e continuam lutando por justiça social”.

Memória viva – Ao lado de Ricardo Coutinho e Agassiz de Almeida, a viúva de João Pedro Teixeira, Elizabeth Teixeira (hoje aos 86 anos de idade), falou para os presentes da história do seu companheiro e das dificuldades que enfrentou após a sua morte. “João Pedro Teixeira foi assassinado no dia 02 de abril de 1962, há 49 anos. Fiquei com 11 filhos, e dois deles também foram assassinados. Quando aconteceu o golpe militar, passei oito meses presa no quartel do Exército. Sofri muita pressão com policiais dando muitos tiros em volta da minha casa, bem perto do meu ouvido; era um sofrimento meu e de meus filhos”, observou, lembrando que a sua filha mais velha, Marluce Teixeira, chegou a se suicidar no momento em que os policiais chegaram para prender a sua mãe.

Lutando todos os dias no campo por uma reforma agrária; para que o homem do campo tivesse condições de sobreviver, João Pedro Teixeira, segundo Elizabeth, falava que iam tirar a vida dele, e que ela assumiria o seu lugar na Liga Camponesa.

“Eu nunca tive resposta para dar a João Pedro. A vida do homem do campo era uma vida sacrificada, triste. Muitos pais viam até seus filhinhos morrerem de fome, por falta de salário para comprar a alimentação. Era muito difícil a vida do homem do campo nas terras, nos engenhos. E quando mataram João Pedro, eu assumi o comando da luta; mas fui presa e depois tive que fugir para São Rafael, no Rio Grande do Norte, onde passei todo o período da ditadura militar sem notícias dos meus filhos, que ficaram abandonados na Fazenda Anta”, disse.

“Mas eu confio em Deus, e confio nas lutas de hoje, dos companheiros que estão presentes, que a reforma agrária vai ser implantada em nosso Brasil. Que o homem do campo vai ter condições melhores de sobreviver na terra. Eu acredito que a luta de João Pedro ainda vai ser vencedora; a luta de João Pedro Teixeira e de muitos outros companheiros e companheiras que lutaram e que lutam pela reforma agrária”, enfatizou.

As atividades em homenagem à memória de João Pedro Teixeira acontecem todos os anos, e o objetivo principal é manter acessa a chama da coragem e da luta por melhores condições de vida para o homem do campo, segundo comentou a professora Juliana Elizabeth. Falando da necessidade de resgate da história das Ligas Camponesas, ela disse orgulhar-se de ser neta de João Pedro e de Elizabeth Teixeira. “A luta de João Pedro Teixeira não foi em vão. Por isso estamos aqui todos os anos”, ressaltou.