João Pessoa
Feed de Notícias

Ricardo lança prêmio de agroecologia na abertura de seminário em CG

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 - 19:23 - Fotos:  José Marques / Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho assinou, nesta terça-feira (19), em Campina Grande, convênios de cooperação técnica do Projeto Cooperar com o Banco do Nordeste e Embrapa para projetos de financiamento e assistência técnica e pesquisa no semiárido paraibano. A assinatura aconteceu durante a abertura do Seminário “Paraíba – Desertificação, agroecologia e os desafios da sustentabilidade”, no Centro de Convenções Raymundo Asfora, quando também lançou o Prêmio Ana Primavesi de Agroecologia.

Ricardo ressaltou que o lançamento de um prêmio a experiências de agroecologia homenageia uma pessoa que dedicou a sua vida ao fortalecimento da agricultura orgânica, da preservação adequada do solo. O prêmio será dado anualmente aos pesquisadores e agricultores que desenvolverem projetos de agroecologia e manejos do solo na Paraíba. A homenageada, escritora e engenheira agrônoma austríaca Ana Maria Primavesi, 93 anos, bastante emocionada, agradeceu a criação do prêmio com o seu nome e a hospitalidade dos paraibanos. “Quando venho ao Nordeste é como se estivesse voltando para casa, pois somos muito bem recebidos e nos sentimos bem”, afirmou. Ela é radicada no Brasil e pioneira na construção e difusão do conhecimento agroecológico e na agricultura orgânica no Brasil..

O seminário tratou de temas como ações de convivência no semiárido, algodão agroecológico, desertificação e formas de enfrentamento, agroecologia e desafios do ensino, pesquisa e extensão, desenvolvimento sustentável. Em seu pronunciamento, o governador Ricardo Coutinho relatou as ações que o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca e órgãos como Emater e Emepa, vem adotando para promover uma melhor convivência dos produtores no semiárido, a exemplo da liberação de R$ 41 milhões para financiar 451 subprojetos em 148 municípios por meio do Projeto Cooperar. “São experiências como a cooperativa de tangerina em Matinhas, abatedouro de galinha caipira em São Sebastião de Lagoa de Roça e Monteiro e as casas de mel no Brejo sempre com um olhar agroecológico para oferecer produtos mais saudáveis a população”, comentou.

O gestor do Projeto Cooperar, Roberto Vital, afirmou que o órgão tem priorizado os investimentos em inclusão produtiva associada à agroecologia e também em obras de infraestrutura hídrica nas regiões do semiárido. Os projetos apoiados pelo Cooperar são resultantes da parceria entre o Governo do Estado e o Banco Mundial. O próximo acordo de empréstimo encontra-se em pré-análise no valor de cerca de R$ 100 milhões. Para que a parceria seja renovada, é fundamental o empenho das associações de agricultores, conselhos municipais e prefeitos, no sentido de estimular a dinamização democrática das propostas de desenvolvimento rural sustentável no Estado.

Durante o seminário, o governador Ricardo Coutinho assinou convênios de cooperação técnica do Cooperar com o superintendente do Banco do Nordeste na Paraíba, José Maria Vilar e com a representante da Embrapa, Maria Auxiliadora Lemos para projetos de financiamento e assistência técnica e pesquisa no semiárido

Representantes de vários estados participam do evento, a exemplo dos gestores dos programas de Redução da Pobreza Rural (PRPR) do Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe e Pernambuco. Formaram a mesa de honra do evento, além do governador Ricardo Coutinho, o vice-governador, Rômulo Gouveia, o secretário de Planejamento do Estado, Gustavo Nogueira; o secretário de Agricultura de Campina Grande, Guilherme Almeida; o secretário de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, Marenilson Batista; o deputado estadual Assis Quintans, o superintendente do BNB na Paraíba, José Maria Vilar, a pesquisadora da Embrapa, Maria Auxiliadora; o reitor Rangel Júnior; o gestor do Cooperar, Roberto Vital e a escritora Ana Primavesi.

Agricultores debatem importância da agroecologia no primeiro dia de seminário
Cerca de 500 agricultores, estudantes, empresários e representantes de vários órgãos ligados à agricultura local participaram do primeiro dia de atividades do seminário “Paraíba – Desertificação, agroecologia e os desafios da sustentabilidade”. O evento, promovido pelo Governo do Estado, por meio do Projeto Cooperar, é realizado no Centro de Convenções, Raimundo Asfóra, em Campina Grande, e termina na tarde desta quarta-feira (20).

Logo nas primeiras horas do seminário, os participantes se mostraram interessados em debater principalmente a agroecologia. “Vimos que o homem do campo está cada vez mais consciente sobre o uso sustentável do solo e está disposto a colaborar com a preservação do meio ambiente”, declarou o gestor do Projeto Cooperar, Roberto Vital, adiantando que  “o debate hoje gira em torno dos meios e estratégias que levem à prática dessa iniciativa”.

Um dos destaques da programação desta terça foi a homenagem feita à engenheira agrônoma Ana Primavesi, uma das mais importantes pesquisadoras da agroecologia e da agricultura orgânica no mundo. Primavesi é pioneira na preservação do solo e recuperação de áreas degradadas e foi convidada pelo Governo do Estado a participar do evento em Campina Grande como forma de incentivar o debate sobre o tema e também para homenagem. Em seu discurso, ela enfatizou que “solo sadio leva à planta sadia, consequentemente deixa o homem sadio”.

Outra participante dos debates foi a professora da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Adriana Meira, que coordena um programa de agroecologia na região do Cariri e se mostrou satisfeita com as discussões neste primeiro dia. “Foi muito bom debater e compartilhar as experiências que desenvolvemos em Sumé, como ações voltadas à educação e ao solo, convivência com o semiárido, feiras agroecológicas e viveiros escolares”, comentou.

Nesta quarta-feira, o debate continua com foco nas ações de convivência com o semiárido (experiência na Serra de Teixeira), algodão agroecológico (viabilidade técnica e econômica no contexto do semiárido), exposição de experiências em agroecologia e apresentação da Carta de Campina Grande: Desertificação, Agroecologia e os Desafios da Sustentabilidade, que encerra o evento.