João Pessoa
Feed de Notícias

Ricardo assina protocolo para instalação de indústria aeronáutica

terça-feira, 20 de agosto de 2013 - 16:54 - Fotos:  Cláudio Goes / Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho assinou, na manhã desta terça-feira (20), o protocolo de intenções que garante a instalação da fábrica Paradise Indústria Aeronáutica em Campina Grande. Com incentivos fiscais que tornaram possível a vinda da empresa para a Paraíba, o Governo cria um novo cenário econômico e tecnológico no Estado. A ação conta com a parceria da Prefeitura de Campina Grande, que fez a doação do terreno no qual será instalada a indústria, no Distrito de São José da Mata.

Além do governador Ricardo Coutinho e do prefeito Romero Rodrigues, o evento contou com a participação do secretário da Receita Estadual, Marialvo Laureano; do secretário de Turismo e Desenvolvimento, Renato Feliciano; co secretário executivo de Indústria e Comércio, Marcos Procópio; da presidente da Companhia de Desenvolvimento da Paraíba (Cinep), Tatiana Domiciano; do secretário de Desenvolvimento Econômico de Campina Grande, Luiz Alberto Leite; e também de representantes da Câmara Municipal de Campina Grande,da Assembleia Legislativa e Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep).

A área de 3,5 hectares destinada à Paradise deverá abrigar as unidades de produção para três modelos de aeronaves. De acordo com o projeto, os investimentos da empresa no Estado deverão totalizar R$ 15 milhões, os quais proporcionarão a criação de mais 200 empregos diretos para a população paraibana.

Ricardo Coutinho destacou o projeto como estruturante para o segmento na região Nordeste e incrementa os incentivos privados que Campina Grande tem recebido desde 2011. “Em dois anos e meio, viabilizamos R$ 245 milhões em investimentos privados através da Cinep, dos quais R$ 80 milhões já estão realizados e R$ 160 milhões em execução, fortalecendo nosso parque industrial e nossa caminhada, que já atraiu investimentos de R$ 2,4 bilhões para todo o estado”, detalhou.

O potencial para receber investimentos privados foi destacado por Ricardo Coutinho como principal componente da política de desenvolvimento aplicada à Paraíba. “Estamos estruturando toda Paraíba para que sejamos cada vez mais atrativas aos olhos dos grandes investidores que querem contribuir para o desenvolvimento do estado e melhoria das condições de vida do nosso povo”, comentou o governador.

Com a assinatura do protocolo, a Paradise assinala o início das obras para construção da sua primeira filial. E o presidente da companhia, Noé de Oliveira, projeta que em janeiro do próximo ano a primeira aeronave produzida em solo paraibano já seja comercializada.

A Paradise iniciou suas atividades comerciais em 2001 e hoje já conta com certificações internacionais para produção de aeronaves. Em seu discurso, Noé de Oliveira agradeceu a recepção feita pelos secretários de estado e da Prefeitura de Campina Grande que tornaram viável a instalação da empresa na cidade.

Não tive como não escolher Campina Grande como a cidade para acolher nossa primeira filial. A posição privilegiada, a possibilidade de formar mão de obra e todo incentivo foi de fundamental importância. Esperamos agora também contribuir com o crescimento desse estado”, comentou o proprietário.

O prefeito Romero Rodrigues demonstrou a satisfação em receber na sua cidade uma indústria aeronáutica e destacou que parte do terreno da Paradise será também utilizada para instalação de oficinas que trabalharão com a recuperação e manutenção de aeronaves. “As aeronaves muitas vezes precisam ir ao Sul do país para fazer reparos. E se temos essa estrutura em uma cidade bem localizada como é Campina Grande, poderemos ser referência para este setor no Nordeste”, comentou. Durante a solenidade, a Prefeitura comprometeu-se a realizar o asfaltamento da pista do aeroclube, que passará a ter 18 metros de largura por 800 metros de extensão.

Novas asas para o desenvolvimento

O Grupo Paradise Indústria Aeronáutica iniciou suas atividades em Feira de Santana/Bahia e desde 2001 tem conquistado reconhecimento mundial. A empresa possui autorização para produzir sete modelos de aeronaves e tem certificação internacional Light Sport Aircraft (LSA), além de certificados na África do Sul e Austrália.

A empresa já recebeu nos Estados Unidos, onde pesquisa suas tecnologias, a condecoração de “empresa do ano” em Sebring/Flórida, das mãos do Senador Bill Nelson, da Flórida. E seus modelos de aeronaves são utilizados por escolas de pilotagem, profissionais liberais, fazendeiros, empresários e amantes da aviação em geral.

Para o Governo do Estado, a vinda da Paradise representa uma nova matriz de desenvolvimento na nossa economia. De acordo com o secretário executivo de Indústria e Comércio, Marcos Procópio, está sendo feita a consolidação de um novo segmento que tem muito a se desenvolver na Paraíba.

Esperamos agora que a Paradise se instale, transfira tecnologia, exerça sua competência dentro do seu ambiente e, assim, outras unidades fabris semelhantes poderão vir também para a cidade. Do mesmo jeito que a indústria naval está sendo trabalhada no litoral, iremos focar esforços para a indústria aeronáutica aqui em Campina”, enfatizou o secretário.

A presidente da Cinep, Tatiana Domiciano, destacou que, além da formação de mão de obra técnica para construção de aeronaves, a possibilidade de preparar pilotos é outro grande potencial trazido pela Paradise. “A Paraíba cria oportunidades para ser capaz de receber demandas para reparo de aeronaves, sendo referência neste quesito para toda região. E, mais do que isso, iremos aprimorar a formação dos pilotos que passam pela Escola Superior de Aviação Civil da cidade de Campina Grande e que serão requisitados para atuar nas principais cidades nordestinas”, ressaltou Tatiana.

A capacitação da mão de obra foi articulada com a Fiep. Segundo o presidente da entidade, Francisco Buega Gadelha, engenheiros já foram à Bahia para conhecer a produção e assegurar a troca de conhecimentos, que poderão ser ainda mais especializados com os técnicos campinenses. “Nosso objetivo é inicialmente executar os projetos já existentes na empresa. Depois que nós aprendermos a fazer as aeronaves pequenas, deveremos partir para aeronaves de maior porte, quem sabe chegando à produção de turbinas aqui na nossa Paraíba”, comentou Buega.