João Pessoa
Feed de Notícias

Ricardo assina OS para recuperar equipamentos culturais em três cidades

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013 - 19:00 - Fotos:  Alberi Pontes / Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho assinou, nesta segunda-feira (7), as ordens de serviço para recuperar o Teatro Santa Roza e o Espaço Cultural José Lins do Rêgo, em João Pessoa, o Cine São José, em Campina Grande, e o Teatro Íracles Pires, em Cajazeiras. O investimento total é de mais de R$ 24 milhões. As obras serão fiscalizadas pela Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado (Suplan).

Ricardo avalia que o Estado tem um processo cultural reconhecidamente muito forte e que dá à Paraíba identidade diferenciada no país. “Em 30 anos de existência, o Espaço Cultural nunca passou por uma grande reforma como a que vai ser feita agora. O Teatro Santa Roza também terá melhorias, o Teatro Ìracles Pires, em Cajazeiras, será  o maior do sertão nordestino e em Campina Grande nós vamos revitalizar o Cine São José, que também será teatro. Vamos transformá-lo em um grande ponto de cultura”, anunciou.

O governador afirmou que o Governo do Estado tem feito o máximo possível para estabelecer na Paraíba uma política cultural que leve em conta os seus equipamentos físicos mas também a produção. “Nós priorizamos aquilo que já existia para recuperar e colocar de volta,  em outra dimensão, à disposição da nossa população”, destacou.

Ricardo lembrou que a tarefa de construir políticas culturais passa também pelos municípios e que cabe ao Estado coordenar regionalmente essas ações, mas esse projeto depende também da visão que tem cada gestor municipal. Por fim, citou  grandes parceiros como o Sebrae e afirmou que buscará parcerias com a Universidade Estadual da Paraíba, no âmbito cultural.

RECONHECIMENTOS – O ator da Rede Globo de Televisão Márcio Tadeu de Lima, paraibano de João Pessoa, representou a classe artística e agradeceu ao Governo do Estado por significativos investimentos na área cultural. “Eu acho que investir em cultura é ressaltar também a importância da educação. Eu quero  tirar o chapéu para o governador e para todos aqueles que estejam imbuídos para que essas reformas aconteçam. Portanto, eu agradeço em nome de todos os artistas paraibanos”, declarou.

Para o Arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, a cultura é uma conseqüência da educação. “Um povo educado é também culturalmente alimentado e incentivado. O teatro, a dança, a música, enfim, todas as expressões culturais nascem da educação, no desejo de crescimento. Investir na recuperação desses equipamentos é algo necessário para  que se produza cultura com alegria”.

O vice-prefeito de Campina Grande, Ronaldo Cunha Lima, destacou que a recuperação do Cine São José é importante para a cidade e adiantou  que a prefeitura e o Estado terão outras grandes parcerias. “Campina agradece ao governador Ricardo Coutinho por essa iniciativa”, disse o vice-prefeito.

Para a prefeita de Cajazeiras, Denise Oliveira, o Teatro Íracles Pires de fato necessitava ser reformado e ampliado. “Cajazeiras fica agradecida porque a classe artística terá um espaço maior e mais agradável para trabalhar”, afirmou.

O ator cajazeirense Nanego Lira disse que as obras nos quatro equipamentos têm um significado muito  grande para os artistas. “Agora o ICA vai ser do tamanho que a cidade tem para o cenário cultural do Estado e do Brasil”.

OBRAS – A Fundação Espaço Cultural (Funesc) passará por uma intervenção completa, avaliada em R$ 19.288.194,75. Serão reformadas os banheiros, piso, escola de dança e a Praça do Povo; vão ser revisadas as redes elétrica e hidráulica; o local será climatizado, a coberta substituída e colocada a telha termo-acústica tipo sanduíche com espuma rígida em policarbonato.

A entrada principal será totalmente reformada atendendo às novas tendências arquitetônicas e de acessibilidade, a bilheteria e a guarita serão totalmente refeitas. Serão construídos novos boxes comerciais. O estacionamento também será recuperado, com melhorias na iluminação. O Teatro de Arena e o Cine Banguê terão as instalações reformadas, com substituição de pisos e adequação funcional. A biblioteca e a Estação Ciência terão isolamento acústico e suas instalações elétricas e hidráulicas revisadas e o piso reformado.

O Teatro Santa Roza passará por uma recuperação na coberta; nos lambris, recuperação ou substituição de janelas e portas, inclusive dos camarins;  a fonte lateral será restaurada; toda a rede elétrica passará por revisão, com especial atenção aos lustres do salão, assim como a rede hidráulica. Os banheiros serão recuperados. A reforma prevê a retirada com substituição da coberta em telha canal do palco externo e pintura de todo o teatro e polimento do piso de madeira. O investimento total é de R$ 732.780,74.

CAMPINA GRANDE – Construído em 1945, o Cine São José faz parte do Patrimônio Histórico da Paraíba e será reformado e ampliado. Serão construídos camarins e sala de Dimmers (na área do teatro), sala de multiuso e uma área livre coberta no subsolo. No pavimento térreo, será feita uma área de mesas, cozinha, café e banheiro. Toda a área da coberta (487,5 metros quadrados) será substituída por telhas termoacústicas tipo sanduíche, bem toda estrutura metálica. A obra está orçada em R$ 2.528.281,07.

CAJAZEIRAS  - No Teatro Íracles Pires, serão executados os serviços de demolição de partes antigas, mudança na coberta, intervenções na alvenaria, movimento de terra, intervenções nos revestimento e pisos; pintura, esquadrias (portas e janelas), instalações hidráulicas e elétricas. O teatro também será ampliado: serão construídos novos camarins, rampa de acessibilidade, bilheteria, diretoria, sala de técnica, baterias de banheiros para o público, adaptados para deficientes, refeitório, cozinha, almoxarifado, depósito, intervenções no jardim, banco em concreto armado, local para grupo gerador semi-enterrado, salão de dança, ampliação no numero de lugares (de 176 para 240) e um reservatório elevado com capacidade para 10 mil litros. No total, serão investidos R$ 2.309.957,84.

O prazo para conclusão das obras é de 180 dias, exceto da Funesc, que tem prazo de 360 dias. Nesta terça-feira (8), a diretoria da Suplan estará reunida com representantes da Funesc e da empresa responsável para traçar o plano da obra com o objetivo de não atrapalhar o funcionamento das atividades do local.