Fale Conosco

3 de maio de 2012

Reunião avalia serviço prestado pela rede de cardiologia no Estado



Em anos anteriores a 2011, crianças que necessitavam de serviços de alta complexidade, a exemplo de cirurgias cardiológicas, eram transferidas para outros Estados, já que a Paraíba não oferecia os serviços. Isso mudou depois que o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, assinou, em outubro do ano passado, um convênio com a Associação Círculo do Coração. Somente este ano, 3,5 mil crianças com suspeita de problemas cardíacos passaram por avaliação médica nos 13 serviços oferecidos pelo Estado. A Rede de Cardiologia da Paraíba realizou, nesses seis primeiros meses de funcionamento, 44 cirurgias em crianças que apresentaram algum tipo de cardiopatia.

A avaliação dos serviços ofertados pelo Estado será o tema de uma reunião marcada para as 19 h desta quinta-feira (3) no Conselho Regional de Medicina, em  João Pessoa. A rede é formada por 12 maternidades em todo o Estado, além do Hospital Arlinda Marques, em João Pessoa, e cobre cerca de 90% da quantidade de crianças nascidas no Estado.

Além de representantes das 12 maternidades do Estado e do Hospital Arlinda Marques, a reunião também vai contar com a participação da ONG Círculo do Coração, de Recife, que gerencia as cirurgias por meio de um convênio firmado com o  Governo do Estado, e da equipe médica (cardiologistas, obstetras, pediatra, neonatologistas, ultrassonografistas) responsável pelos atendimentos em cada serviço.

O coordenador da rede de maternidades para o diagnóstico precoce da cardiopatia no Estado, Cláudio Teixeira Régis, explicou que durante a reunião será apresentado um balanço das ações realizadas pela Rede de Cardiologia  nesses seis meses, como também serão discutidos problemas, desafios e as metas para melhorar ainda mais  a qualidade e a eficiência do serviço prestado à população paraibana.  “Essas reuniões também têm o objetivo de sensibilizar e mostrar para esses profissionais a importância do diagnóstico precoce das cardiopatias congênitas, pois quanto mais cedo houver identificação do problema, menos complicações para o paciente e melhor será o tratamento”, disse o médico.

Interligação – A rede de maternidades estruturada para realizar o diagnóstico da cardiopatia tem três serviços de referência: Cândida Vargas, em João Pessoa, o Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea), em Campina Grande, e Peregrino de Carvalho,em Patos. Na Capital, estão interligadas à rede as maternidades Frei Damião, Arlinda Marques e Hospital da Polícia Militar General Edson Ramalho. Na região de Campina Grande, estão ligadas as maternidades das cidades de Esperança, Monteiro e Picuí. E na área de Patos, estão interligadas as maternidades dos municípios de Itaporanga, Sousa e Cajazeiras.

Os médicos que participam da Rede de Cardiologia da Paraíba realizam uma triagem por meio do exame de oximetria em todos os recém-nascidos em até 24 horas após o nascimento. Trata-se de um exame que mede a saturação de oxigênio no sangue. Nos casos em que é detectada alguma anormalidade, os bebês são encaminhados para realizar exames mais aprofundados, como o ecofuncional.

O secretário de Estado da Saúde, Waldson Dias de Souza, afirmou que o Governo está ampliando a qualidade do acesso à saúde para aqueles que mais precisam do serviço, utilizando equipamentos de ponta, oferecendo conhecimento científico na área e melhorando a infraestrutura dos hospitais. Ele lembrou que semana passada foi inaugurada a maternidade Peregrino Filho, em Patos,  que é referência na região para atendimentos de alto risco a parturientes.

Com relação ao convênio assinado o com a Associação Círculo do Coração, Waldson Souza destacou a importância e a potencialização desse serviço, que prioriza as crianças com problemas cardíacos. “Estamos melhorando e avançando nos serviços e capacitando os profissionais para oferecer assistência de qualidade à população, desde o atendimento ambulatorial até a alta complexidade. Esse é o compromisso que o Governo do Estado tem com o povo paraibano, mas para isso é necessário estruturar os serviços em rede e contar com o apoio de todos os técnicos de saúde”, disse o secretário.

Tecnologia – Como forma de proporcionar uma melhor integração entre os médicos e as Centrais instaladas no Hospital Arlinda Marques e na Associação Círculo do Coração,  agilizando o diagnóstico e possibilitando a discussão de casos através de teleconferências, o Governo do Estado fez a entrega de Ipads para 12 maternidades da Paraíba. Os equipamentos estão agilizando o diagnóstico e o atendimento aos bebês que nascerem com doença cardíaca.

Cláudio Teixeira Régis explicou que essa estrutura de internet  interliga todos os hospitais e maternidades. “A intenção é que os médicos possam se qualificar tirar dúvidas, trocar experiências, dialogar sobre os casos e realizar de maneira rápida o diagnóstico da doença e planejar melhor as cirurgias cardíacas infantis”, finalizou.