João Pessoa
Feed de Notícias

Restaurantes populares do Estado alimentam 2,5 mil usuários por dia

sábado, 19 de novembro de 2011 - 21:13 - Fotos: 

Duas mil e quinhentas refeições diárias. Esta é quantidade de pratos servidos de segunda a sexta-feira nos três restaurantes populares do Governo do Estado, localizados em Patos, Campina Grande e Santa Rita.

Duas mil e quinhentas refeições diárias. Esta é quantidade de pratos servidos de segunda a sexta-feira nos três restaurantes populares do Governo do Estado, localizados em Patos, Campina Grande e Santa Rita. O restaurante popular é um dos programas integrados á rede de ações do Fome Zero, do Governo Federal, com contrapartida do Governo da Paraíba, e é desenvolvido pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (SEDH).

Segundo a secretária Aparecida Ramos, nos restaurantes a população tem a garantia de uma boa alimentação. “A garantia do atendimento de uma necessidade humana que antecede qualquer outra, que é o direito a se alimentar, é determinante na avaliação dos indicadores de desenvolvimento humano. Determina o nível civil nacional de qualquer país, região e Estado. E é isto que estamos fazendo na Paraíba com o Restaurante Popular”, destacou a secretária.

De acordo com a nutricionista responsável pelos restaurantes populares do Estado, Francilane de Lima Rodrigues, o programa tem um alto alcance social. “O objetivo é assegurar o direito à alimentação para todos, fornecendo refeições originadas de processos seguros”, afirmou. Segundo ela, o público usuário é formado, principalmente, por trabalhadores formais e informais de baixa renda, desempregados, estudantes, aposentados e famílias em situação de risco de insegurança alimentar e nutricional.

Além de uma alimentação saudável, a população também faz economia no orçamento familiar, adquirindo uma refeição ao preço de R$ 1. Uma das usuárias do restaurante de Santa Rita é a dona de casa Auxiliadora Vidal de Negreiros. “Estou comendo todos os dias no restaurante do Governo com minhas duas filhas e meu marido. Antes, a gente gastava R$ 10 por dia, só para comprar a carne, mas ainda tinha o gasto do gás e da água para lavar a louça. Agora gasto só R$ 4 por dia para alimentar minha família. E minhas filhas também não comiam verdura. Agora comem porque a refeição é completa”, explicou.

Redução de custo também está fazendo a professora e agente de saúde Maria Salete Galdino, que também mora em Santa Rita. “Aqui além de a comida ser gostosa, a gente faz uma economia em todos os sentidos, até no trabalho de preparar um almoço”, acrescentou.

Participação – Segundo a diretora do Restaurante Popular de Santa Rita, Marleide Pinheiro Dantas, a meta é sempre oferecer um serviço de qualidade. Por isso, a direção do restaurante de Santa Rita instalou uma caixa de sugestões.

“Estamos colhendo todo mês as sugestões que estão na caixinha e, aos poucos, vamos atendendo aos pedidos, quando são pertinentes. Eles reclamavam, por exemplo, da acessibilidade. Então melhoramos a rampa de acesso ao restaurante. E desta forma estamos sempre procurando atender bem ao público”, destacou.

Um quarto restaurante está sendo construído em João Pessoa, no bairro de Mangabeira. O serviço está contando há um mês com a supervisão de um nutricionista do Núcleo de Segurança Alimentar do Estado que percorre as unidades verificando se o alimento está balanceado e com qualidade.programa tem um alto alcance social. “O objetivo é assegurar o direito à alimentação para todos, fornecendo refeições originadas de processos seguros”, afirmou. Segundo ela, o público usuário é formado, principalmente, por trabalhadores formais e informais de baixa renda, desempregados, estudantes, aposentados e famílias em situação de risco de insegurança alimentar e nutricional.

Além de uma alimentação saudável, a população também faz economia no orçamento familiar, adquirindo uma refeição ao preço de R$ 1. Uma das usuárias do restaurante de Santa Rita é a dona de casa Auxiliadora Vidal de Negreiros. “Estou comendo todos os dias no restaurante do Governo com minhas duas filhas e meu marido. Antes, a gente gastava R$ 10 por dia, só para comprar a carne, mas ainda tinha o gasto do gás e da água para lavar a louça. Agora gasto só R$ 4 por dia para alimentar minha família. E minhas filhas também não comiam verdura. Agora comem porque a refeição é completa”, explicou.

Redução de custo também está fazendo a professora e agente de saúde Maria Salete Galdino, que também mora em Santa Rita. “Aqui além de a comida ser gostosa, a gente faz uma economia em todos os sentidos, até no trabalho de preparar um almoço”, acrescentou.

Participação – Segundo a diretora do Restaurante Popular de Santa Rita, Marleide Pinheiro Dantas, a meta é sempre oferecer um serviço de qualidade. Por isso, a direção do restaurante de Santa Rita instalou uma caixa de sugestões.

“Estamos colhendo todo mês as sugestões que estão na caixinha e, aos poucos, vamos atendendo aos pedidos, quando são pertinentes. Eles reclamavam, por exemplo, da acessibilidade. Então melhoramos a rampa de acesso ao restaurante. E desta forma estamos sempre procurando atender bem ao público”, destacou.

Um quarto restaurante está sendo construído em João Pessoa, no bairro de Mangabeira. O serviço está contando há um mês com a supervisão de um nutricionista do Núcleo de Segurança Alimentar do Estado que percorre as unidades verificando se o alimento está balanceado e com qualidade.