Fale Conosco

20 de julho de 2009

Restauração do terminal de passageiros da Capital vai custar R$ 357 mil



O Terminal Rodoviário da Capital vai passar por uma restauração com obras que vão custar R$ 357 mil. A garantia foi dada pelo vice-governador Luciano Cartaxo, após reunião com o superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Solon Alves Diniz. O projeto prevê a recuperação dos banheiros, da estrutura geral do local, das calçadas e plataformas dos ônibus, assim como da rede elétrica e outros pontos detectados durante inspeção feita por engenheiros do órgão. Durante toda a manhã desta sexta-feira, Cartaxo esteve reunido com representantes da associação de comerciantes e taxistas do terminal, das empresas de ônibus sediadas no local e do DER, que levaram ao vice-governador uma lista com reivindicações.

Segundo Solon Alves Diniz, o processo de tomada de preço está previsto para acontecer o início do mês de agosto e a previsão é  que a entrega aconteça em seis meses após o início das obras. “Todas estas modificações constituem apenas a primeira etapa de um grande projeto que será complementado o mais rapidamente possível com trabalho de paisagismo e outros ajustes na estrutura geral do terminal”, afirmou. Ele acrescenta que o local está degradado e que o Governo é sensível às necessidades da população que trafega por lá. “Faremos uma grande intervenção que já vai mudar muito a cara do terminal”, disse. 

Para o vice-governador Luciano Cartaxo, o trabalho é de extrema importância. “Não podemos pensar o turismo só em função do aeroporto Castro Pinto. O terminal rodoviário é, também, uma porta de entrada da cidade e não pode ficar como está. Principalmente com a duplicação da BR-101, o fluxo de turistas vindos de Recife (PE) e Natal (RN) vai aumentar muito em João Pessoa e, por isso, a reforma é uma necessidade urgente”, afirmou.

Reivindicações – Para o comerciante Inácio Augusto, uma das principais necessidades é  a colocação de grades ao redor da rodoviária, com o objetivo de garantir a segurança no local e a troca das telhas, com o objetivo de evitar infiltrações. Além disso, ele solicitou que os comerciantes possam usar o estacionamento sem ter que pagar. O diretor do DER afirmou que todas estas mudanças estão previstas no projeto e serão atendidas. O projeto de restauração prevê, ainda, a colocação de protetores mais eficientes nas rampas e corrimões nas escadas. “Estamos com tudo isto previsto e ficamos contentes e atender aos comerciantes e, principalmente, à população que passa pelo local”, disse o diretor do DER.

José Pereira Cabral, assessor de imprensa do DER